Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Presidente da Petrobras ri com pergunta sobre diminuir preço do gás para os mais pobres

Presidente da Petrobras ri com pergunta sobre diminuir preço do gás para os mais pobres

Enquanto a população enfrenta as dificuldades provocadas pela crise econômica e pela gestão desastrosa do governo Jair Bolsonaro, o general Joaquim Silva e Luna, presidente da Petrobras, parece ter seus motivos para manter o riso frouxo. Com um salário mensal de R$ 260 mil, o general riu ao ser questionado sobre a diminuição do preço do gás de cozinha para os mais pobres.

“Na sua avaliação, os dividendos e os tributos pagos pela Petrobras vêm sendo adequadamente investidos pelo governo? O senhor acha que seria importante apoiar os mais pobres que não estão conseguindo comprar um botijão de gás?”, questionou uma pessoa que participava da coletiva de imprensa concedida por Silva e Luna nesta segunda-feira (27).

A pergunta, que levou ao general a dura realidade de milhões de famílias brasileiras, parece ter soado como piada ao gestor público. Aos risos, ele disse: “a parte Petrobras está sendo feita”.

Na mesma coletiva em que ria dos mais pobres, o general anunciou a manutenção da política de preços da empresa, de paridade com o mercado internacional. Diretores da estatal disseram, inclusive, que pode haver novos aumentos nos combustíveis.

Levantamento feito pela Folha de S. Paulo no início de setembro mostra que Silva e Luna está entre os militares da reserva que não deixam de lado os valores que recebem pela aposentadoria e somam com os cargos “civis”. O general não se satisfaz com o estrondoso salário de R$ 228 mil de presidente da petrolífera e acrescenta a aposentadoria para embolsar R$260 mil mensais.

Mortes por uso de álcool

Com o aumento do gás, famílias têm recorrido a “alternativas” perigosas para preparar a comida. Nesta segunda-feira (27), morreu Geisa Sfanini, de 32 anos, após ter 90% do corpo queimado enquanto cozinhava com álcool combustível. Segundo reportagem de Deslange Paiva e Paula Paiva Paulo, do g1, Geisa usava o álcool por estar com dificuldades financeiras para comprar o gás. Desempregada, ela sustentava o filho Lucas Gabriel, de 8 meses, apenas com recursos do Bolsa Família.

Assista à risada do general Silva e Luna e à coletiva completa:

Informações: Revista Forum

OUTRAS NOTÍCIAS