Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Prefeito de Feira de Santana diz que pretende realizar micareta na cidade em setembro: “boa probabilidade”

Prefeito de Feira de Santana diz que pretende realizar micareta na cidade em setembro: “boa probabilidade”

A segunda maior cidade da Bahia, Feira de Santana, pode ter a tradicional micareta ainda este ano, segundo informou o prefeito Colbert Martins, nesta quarta-feira (30). A festa, com mais de 80 anos, não acontece desde 2020 por causa da pandemia da Covid-19.

Segundo Colbert Martins, a micareta deve ocorrer no mês de setembro.

“Estamos analisando essa perspectiva com uma boa probabilidade de retomar os festejos de Feira de Santana com uma grande micareta”, revela o prefeito.

Normalmente, a micareta acontece no mês de abril, mas por causa do tempo de organização, será adiada para setembro.

Para o prefeito, o que tem pesado na decisão é o valor gasto para realizar a festa, que na última edição, em 2019, custou cerca de R$ 7 milhões.

“Hoje, com os preços mais altos, o gasto pode chegar a bem mais que R$ 7 milhões, tanto as atrações como os equipamentos utilizados. Outro problema é que a câmara já retirou mais de R$ 2 milhões da área de cultura”, explica.

Micareta de Feira de Santana em 2019. — Foto: Sara Silva/Prefeitura de Feira de Santana

Micareta de Feira de Santana em 2019. — Foto: Sara Silva/Prefeitura de Feira de Santana

Para que a micareta aconteça com o mesmo formato, o prefeito pretende buscar patrocínios.

“Não gostaria de fazer um evento fechado para a pessoa ter que pagar para poder brincar. Feira de Santana continua com a sua grande característica de ser uma micareta absolutamente popular”, afirma.

Ainda de acordo com o prefeito de Feira de Santana, a proximidade da data da festa com as eleições não é uma problema para a realização do evento, já que não haverá votação na esfera municipal.

Na última segunda-feira (28), a prefeitura da cidade anunciou a liberação do uso de máscaras em ambientes abertos e logradouros públicos. Feira de Santana é uma das oito cidades baianas que já tomou a decisão.

A Micareta

Micareta de Feira de Santana tem mais de 80 anos de história — Foto: Arquivo/Prefeitura de Feira de Santana

Micareta de Feira de Santana tem mais de 80 anos de história — Foto: Arquivo/Prefeitura de Feira de Santana

Há registros de carnavais em Feira de Santana de 1891 a até a década de 1940. Em 1937, a festa não ocorreu na data prevista, por conta de uma forte chuva que atingiu a região, e teve de ser adiada para depois da quaresma, em data não convencional. Foi então que, oficialmente, nasceu a micareta.

O adiamento da festa foi uma sugestão do coletor e criador de carros alegóricos Manuel da Costa Ferreira, o ‘Maneca Ferreira’ – que dá nome ao principal circuito da festa. Ele propôs a mudança da data da folia e teve apoio da população e dos organizadores.

O carnaval e a micareta coexistiram na cidade até 1944, quando a festa momesca deixou de ser realizada e saiu do calendário oficial de eventos do município. Com a construção da BR-324, na década de 20, uma das principais vias de ligação da capital com o interior, muitos grupos deixavam de curtir a festa em Feira para ir para a capital.

Desde que a micareta surgiu, o local de realização da festa já mudou quatro vezes. Até a década de 70, organizada com o dinheiro arrecadado pelos próprios foliões, a festa acontecia na Rua Direito, atualmente chamada de Rua Conselheiro Franco.

Depois, quando o município passou a gerir a festa, a micareta mudou para a Avenida Senhor dos Passos, onde aconteceu até 1982. No mesmo ano, a festa saiu da Avenida Senhor dos Passos e foi transferida para a Avenida Getúlio Vargas, onde ficou até o ano 2000. Desde então, a festa é realizada na Avenida Presidente Dutra.

Desde o seu surgimento e antes da pandemia da Covid-19, a micareta de Feira só deixou de ser realizada em duas ocasiões: a primeira na década de 40, durante a Segunda Guerra Mundial, da qual alguns soldados feirenses também participaram, e a outra em 1964, por causa do golpe militar.

Informações: G1

OUTRAS NOTÍCIAS