Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Políticos do PMDB combinavam versões para evitar alcance da Lava Jato, indica PGR

Políticos do PMDB combinavam versões para evitar alcance da Lava Jato, indica PGR

IMAGEM_NOTICIA_5

Políticos da cúpula do PMDB combinavam versões de defesa e estratégias para não serem alcançados pela Operação Lava Jato. A indicação consta no pedido de prisão feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR). De acordo com a Folha, a ideia era costurar defesas do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do ex-presidente José Sarney (PMDb-AP) e do senador Romero Jucá (PMDB-RR), alvos dos pedidos de prisão, e impedir que Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, colaborasse com as apurações.

Há indícios de que foram produzidos documentos para tentar maquiar os desvios na gestão de Machado, segundo o qual Renan, Sarney e Jucá teriam recebido R$ 70 milhões da subsidiária da Petrobras. A base dos pedidos de prisão são as gravações dos peemedebistas feitas por Machado e entregues à PGR, além de documentos que comprovariam movimentações financeiras. Investigadores argumentam que apenas o afastamento de Renan e Jucá do Senado não surtiria efeito para impedir prejuízo às apurações da Lava Jato.

No caso de Renan, o pedido de afastamento da presidência do Senado foi uma alternativa colocada por Janot ao Supremo Tribunal Federal (STF), caso a prisão não fosse acolhida pela Corte. Outro argumento é que os diálogos captados demonstram interesse do trio em mudar a decisão do Supremo, que prevê a prisão de condenados a partir da segunda instância. De acordo com a Folha, os políticos que foram alvo do pedido de prisão negam irregularidades e que tenham recebido propina. Sobre a combinação de versões de defesa e estratégias, Renan informou que “a chance de ter acontecido isso é zero”.

O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que defende o senador Romero Jucá (PMDB-RR) e o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP), afirmou que a versão da Procuradoria é “fantasiosa”. Kakay disse que Sarney não era investigado na Lava Jato e não tinha preocupação com o assunto. Sobre Jucá, o advogado disse que nas conversas ele só discutia mudanças na lei, uma função parlamentar.

OUTRAS NOTÍCIAS