Polícia localiza acusados de latrocínio, mulheres usadas como iscas e responsável por desmanche

103150-3

103150-3

Policiais civis da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR), sob o comando do delegado André Ribeiro, elucidaram o roubo seguido de morte do mototaxista Wanderson Amorim Rodrigues, que foi morto com um tiro no pescoço no dia 22 de junho após ser engando por duas mulheres que serviram como isca para o assalto.

No dia do crime a vítima estava com um colega, também mototaxista, na Praça do bairro Tomba, em Feira de Santana. Eles levaram as mulheres ao local solicitado por elas sem saberem que seriam assaltados com a ajuda delas, na Estrada Corredor de Cote, em São Gonçalo dos Campos. O colega conseguiu fugir e Wanderson foi baleado e morreu no local.

Relembre o caso aqui

A polícia recuperou as duas motos subtraídas no latrocínio (roubo seguido de morte): uma Twister de cor amarela de placa JMR-7108 e uma Fan 150 de cor vermelha de placa EXG-0736, além de outra moto que foi roubada em Santo Amaro na última sexta feira (29), a Fan 150 de cor preta e placa OUU-9966.

Segundo a polícia, uma das cúmplices é menor de 18 anos e a outra foi identificada como Nadine Mota Anunciação, 20 anos de idade. Ambas moram em Candeal. Os investigadores também identificaram o responsável por desmanchar e esconder as motos: Valdemiro Machado da Silva Filho (camisa listrada), 19 anos, morador da fazenda Boa Esperança, São Gonçalo dos Campos.

Vademiro foi preso em flagrante pela Polícia Militar na última sexta-feira (29) com um veículo Fiat Strada roubado e um revólver calibre 38, usado no latrocínio.

De acordo com a polícia, os autores do assalto foram identificados como Maurício Ferreira de Jesus (camisa verde), 20 anos, morador da fazenda João Mendes, em São Gonçalo dos Campos, e o irmão dele, que está foragido, Bruno Vieira de Jesus (camisa amarela) morador da Fazenda Tapera, também em São Gonçalo dos Campos. Ainda de acordo com a polícia, Bruno é suspeito de ter efetuado o disparo. Maurício foi ouvido e liberado.

Aldo Matos /Andrea trindade

OUTRAS NOTÍCIAS