Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Polícia Federal investigará suposto vazamento de informações sigilosas para Flávio Bolsonaro

Polícia Federal investigará suposto vazamento de informações sigilosas para Flávio Bolsonaro

Polícia Federal irá investigar o suposto vazamento de informações sigilosas da Operação Furna da Onça ao senador carioca Flávio Bolsonaro. A informação foi divulgada na noite deste domingo (17) pelo órgão.

“Todas as notícias de eventual desvio de conduta devem ser apuradas e, nesse sentido, foi determinada, na data de hoje, a instauração de novo procedimento específico para a apuração dos fatos apontados”, disse a PF através de nota.

“Esclarece-se, ainda, que notícia anterior, sobre suposto vazamento de informações na operação ‘Furna da Onça’, foi regularmente investigada pela PF através do Inquérito Policial n° 01/2019, que encontra-se relatado”, acrescentou a instituição.

No âmbito do Congresso, o senador Jaques Wagner (PT) disse que é a favor da instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as denúncias feitas contra Flávio pelo empresário Paulo Marinho. “No que depender de mim, que a apuração seja imediata e vá a fundo. Minhas parcerias são com a verdade, com a justiça e com a imprensa livre e barulhenta, bem diferente do silêncio malicioso das insinuações sem cabimento”, declarou.

Marinho contou em entrevista que teria escutado do próprio filho do presidente que um delegado da Polícia Federal avisou a ele que, em outubro de 2018, Operação Furna da Onça seria realizada. Por isso, ela teria sido “segurada” para não atrapalhar Bolsonaro durante o segundo turno da eleição.

Operação

A Operação Furna da Onça investigou a participação de deputados estaduais do Rio de Janeiro em um esquema de lavagem de dinheiro, corrupção e distribuição irregular de cargos públicos e de mão de obra terceirizada no governo carioca.

Ela foi deflagrada no Rio de Janeiro em novembro de 2018. Os mandados judiciais foram expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 2° Região em 31 de outubro do mesmo ano, ou seja, depois do segundo turno das eleições presidenciais.

OUTRAS NOTÍCIAS