Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Plano de Saneamento Básico terá horizonte de planejamento de 20 anos

Plano de Saneamento Básico terá horizonte de planejamento de 20 anos

882018100337

O Plano de Saneamento Básico do Município de Feira de Santana – água e esgotamento sanitário, foi oficialmente apresentado pelos técnicos da Fundação Escola Politécnica da Bahia, que o elaborou, durante audiência pública. A sua construção, com a participação da sociedade, levou aproximadamente um ano

A audiência, realizada na manhã desta terça-feira, 7, é etapa que antecede a avaliação do estudo antes de ser enviado para apreciação na Câmara Municipal e virar Lei. Antes, existe a possibilidade de inclusão das sugestões apresentas por participantes no evento.

Em Feira de Santana, o plano está relacionado ao abastecimento de água e esgotamento sanitário. E foi construído ouvindo as opiniões da parte interessada, que são os moradores dos bairros e povoados, em 26 oficinas realizadas, quando mostraram suas realidades nestes setores.  E de onde tiraram suas propostas.

O horizonte de planejamento do plano é de 20 anos, com atualizações ao longo deste período. Os diagnósticos que levaram à construção foram pinçados das informações coletadas durante as oficinas e tiveram como base a realidade de cada uma das comunidades ou bairros.

Ações que serão realizadas progressivamente

“São ações que serão realizadas progressivamente, a curto, médio e longo prazos, entre três, oito e 12 anos”, afirmou a engenheira sanitarista Naiah Caroline Rodrigues. A curto prazo, diz, serão realizadas ampliações no esgotamento na zona urbana e aplicação das alternativas neste setor na zona rural, como a fossa de bananeira.

Saneamento é promoção de saúde

“Trabalho participativo que trouxe subsídios à tecnicidade da FEP”, disse o engenheiro Raimundo Garrido, da instituição que elaborou o plano. Ele disse ainda que saneamento é a promoção de saúde e que abastecimento e esgotamento têm grande abrangência.

Estudo técnico será base para futuras intervenções

Para Gabriel Marques Porto, que representou a Agência Reguladora de Feira de Santana, o Plano coloca o município em destaque, porque as futuras intervenções terão como base estudo técnico. O vereador Cadmiel Pereira disse que os técnicos ouviram quem está na base, por isso o plano reflete as necessidades das comunidades.

Estiveram presentes o secretário de Planejamento, Carlos Brito, o superintendente regional da Embasa, Raimundo Neto, Giovane Leal, que representou o Executivo e Carlos Fernando Abreu, superintendente de Saneamento da Secretaria de Infraestrutura do Estado.

OUTRAS NOTÍCIAS