Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Padre Júlio Lancellotti afirma ser atacado por milícia de jovens católicos

Padre Júlio Lancellotti afirma ser atacado por milícia de jovens católicos

Após indicar livros progressistas em uma celebração religiosa e em suas redes sociais, o padre Júlio Lancellotti, 72, virou alvo de montagens e mensagens agressivas nos últimos dias. Nesta segunda-feira (31), ele relatou ter sido “bombardeado” pelas redes sociais, ligações no celular e recados no Whatsapp por jovens católicos que fariam parte de uma milícia.

“Manipulam e invadem em nome de um deus cruel e opressor”, disse. “Hoje o dia foi denso e tenso”.

Entre os livros indicados estão “O Deus das vítimas”, de Edevilson de Godoy, sobre a presença divina nos marginalizados; “Teologia e os LGBT+”, de Luís Corrêa Lima, que reflete sobre a realidade dessa população na perspectiva da teologia; e “Deus e o mundo que virá”, uma conversa do papa Francisco com o vaticanista italiano Domenico Agasso, repórter do jornal La Stampa e coordenador do site Vatican Insider, sobre a pandemia.

Em um dos ataques, uma montagem troca a capa do livro “Teologia e os LGBT+” por um catecismo anticomunista. “Católicos falsificarem imagem e produzirem fakes por ódio é lamentável. Além de crime”, o padre afirmou.

Ao indicar o livro que aborda a questão LGBT+, o religioso mandou um recado para os “homofóbicos de plantão”: “Nossas palavras podem salvar vidas ou podem destrui-las”.

O padre é conhecido pelo trabalho que realiza junto à população de rua e já protagonizou cenas como a de quebrar a marretadas pedras colocadas pela prefeitura em um viaduto na zona leste de São Paulo como medida para evitar moradores de rua.

Na semana passada, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) postou em uma rede social uma foto com Lancellotti e escreveu: “Estou disposto a viajar o país para levantar a cabeça do nosso povo e dizer: esse país e nosso. Esse país não é o páis do ódio”.

Ao falar sobre o episódio, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) questionou a integridade de Lancellotti. “Colocam o Lula com um padre pensando que fosse um padre realmente sério, responsável”, disse.

Outros ataques

Em 2019, o padre Ticão, líder comunitário na zona leste de São Paulo, virou alvo de ataques por meio de mensagens de ódio e ameaças de morte após a realização da 36ª Semana da Juventude, na Paróquia São Francisco de Assis, em Ermelino Matarazzo.

O evento incluiu rodas de conversa sobre cannabis medicinal e palestra sobre gênero, direitos sexuais, direitos reprodutivos e religião, com a participação da organização Católicas pelo Direito de Decidir.

Na ocasião, um ato realizado em frente à paróquia colocou, em lados opostos, defensores e pessoas que reivindicavam a expulsão do padre da Igreja Católica. Com terços nas mãos, os manifestantes que não apoiavam as ideias defendidas por Ticão rezaram e gritaram palavras de ordem como “Viva a Santa Igreja” e “Salve Roma”.

Já os apoiadores de Ticão reuniram-se com representantes de OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), ABI (Associação Brasileira de Imprensa), além de políticos da região, para chamar a atenção da comunidade de Ermelino Matarazzo para as ameaças direcionadas ao padre e aos funcionários da paróquia.

Ticão morreu em janeiro deste ano, aos 68 anos.

Informações: Folhapress

OUTRAS NOTÍCIAS