Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

“Ninguém viraliza uma travesti queimada viva”, diz cantora baiana após críticas por queimar bandeira do Brasil em show

“Ninguém viraliza uma travesti queimada viva”, diz cantora baiana após críticas por queimar bandeira do Brasil em show

A cantora Tertuliana Lustosa, vocalista da bada A Travestis, viralizou após postar um vídeo em que aparece queimando a bandeira do Brasil durante um show realizado neste sábado (25), em Feira de Santana, a cerca de 100 quilômetros de Salvador. A performance gerou diversas críticas de bolsonaristas e ganhou até destaque nas redes sociais dos filhos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Em entrevista ao BNews, nesta terça-feira (28), Tertuliana, que também é formada em História da Arte pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), afirmou que o vídeoclpe da música ‘Abaixa  o Preço do Gás’, lançado no mesmo dia do show, a motivou a fazer a performance. Na canção, ela faz uma crítica ao governo Bolsonaro. Ela explica ainda que quis chamar a atenção sobre os crimes praticados contra travestis no Brasil

“Eu queimei a bandeira porque estamos no país em que mais se mata travestis […] Para nós travestis é o pior país para se viver. Pelo histórico essa bandeira foi imposta pela cultura europeia, de colonização e escravidão. São as mesmas cores do Império de Bragança. A nossa bandeira não tem uma história de negritude e de povos indígenas, sendo que o Brasil é uma terra indígena”, afirma.

Em uma postagem nas redes sociais, a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) saiu em defesa da cantora.

“A bandeira nacional, como símbolo, foi capturada por grupos autoritários que a usam para silenciar, oprimir, violentar corpos e negar direitos. Virou ferramenta ideológica de grupos de ódio! Não entendemos o ato da @atravestisoficial como um ataque ao país, mas ao poder hegemônico que favorece e financia genocídios”, diz.

Na publicação, a Antra diz que ainda que “queimar travestis vivas tem sido uma forma de assassinar pessoas trans desde sempre e vem sendo evidenciando em pesquisas anuais”.

Questionada sobre as críticas recebidas por bolsonaristas, a artista afirmou que as recebeu “muito bem” e que o intuito era levantar, justamente, discussões acerca do assunto.

“Eu faço performances há bastante tempo e sei que isso pode acontecer. Acho que é isso: colocar pautas em discussão que não estavam sendo discutidas. “Eu coloquei em pauta uma coisa urgente e que não está sendo dita e midiatizada que a questão dos corpos trans no Brasil”. Ninguém viraliza uma travesti queimada viva”, enfatiza.

No Instagram, o deputado federal Eduardo Bolsonaro fez uma publicação chamando as pessoas que aparecem no vídeo de “idiotas úteis”.

“Muitas guerras não são travadas com pólvora, mas sim com informações e cada vez é maior o número de idiotas úteis que não sabem sequer dizer se são aliados ou inimigos […]”

Já o vereador Carlos Bolsonaro escreveu: “Eis mais um dos inúmeros exemplos que dispensa comentários sobre a oposição política que o país enfrenta. Creio não precisar entrar em detalhes após assistir o vídeo”.  “Qual o futuro do Brasil com essa gente?”, escreveu o senador Flávio Bolsonaro.

A performance de Lustova também foi alvo de críticas do vereador de Salvador Alexandre Aleluia (DEM). “Esse pessoal não tem amor a nossa pátria, nenhum amor aos nossos símbolos que representam o que nós temos de mais caro. Tem amor apenas ao partido deles. Não é verde e amarelo, e, sim, vermelho”, disse o vereador, que é apoiador de Bolsonar, em entrevista ao BNews.

Informações: BNews

OUTRAS NOTÍCIAS