Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Moradora de Palmital diz que foi agredida por nove vizinhos por acharem que ela havia denunciado som alto à polícia

Moradora de Palmital diz que foi agredida por nove vizinhos por acharem que ela havia denunciado som alto à polícia

A moradora que foi brutalmente agredida por vizinhos em Palmital (SP) contou ao g1 que nove pessoas arrombaram o portão da sua casa e deferiram socos, murros e tapas por acharem que ela havia denunciado som alto à polícia.

Celia Maria de Sá, de 52 anos, explicou que os vizinhos faziam uma festa na sexta-feira (15), dia do ocorrido, desde a manhã. Por volta das 23h, a moradora disse que dormia, após ingerir o medicamento para tratamento da depressão, quando a dona da casa vizinha bateu no portão dela.

Mulher foi brutalmente agredida por nove vizinhos em Palmital  — Foto: Celia Maria de Sá /Arquivo Pessoal

Mulher foi brutalmente agredida por nove vizinhos em Palmital — Foto: Celia Maria de Sá /Arquivo Pessoal

Em seguida, Celia lembra que se levantou, foi até à frente da casa e recebeu as agressões, principalmente na região do maxilar, costela, pescoço, nuca, seios e cabeça. Ainda segundo Celia, um dos vizinhos tentou asfixiá-la.

“Eles perguntavam se havia sido eu quem liguei para a polícia, mas eu afirmei que não foi. Eu tomo o medicamento, então para mim esse som nem interfere no sono. Quando fui para frente da casa, eles me jogaram no solo e começaram o espancamento”, lembra.

A vítima também relatou que os vizinhos só pararam com a agressão quando a mulher que mora com ela pediu que parassem, ao perceber que Celia já estava desacordada. A moradora foi encaminhada ao Pronto-Socorro (PS) pelo Serviço de Atendimento Móvel (Samu) e os agressores fugiram do local.

Vítima deve passar por exame de IML para avaliar a gravidade das agressões  em Palmital — Foto: Assiscity/ reprodução

Vítima deve passar por exame de IML para avaliar a gravidade das agressões em Palmital — Foto: Assiscity/ reprodução

“Lembro que a mulher que mora comigo gritava ‘para que vocês estão matando ela’. Não consigo identificar os nomes”, lamenta.

Celia explicou que passou por atendimento no PS e fez exames de raio-X. No dia 20 de maio deve passar por exame de corpo de delito pelo Instituto Médico Legal (IML) de Assis (SP).

Segundo o delegado responsável pelo caso, Mateus Maciel César Silva, os agressores foram identificados e devem ser ouvidos na próxima semana. Ninguém foi preso.

OUTRAS NOTÍCIAS