Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Minas Gerais chega a três mortes por raiva humana em um mês

Minas Gerais chega a três mortes por raiva humana em um mês

Uma criança morreu diagnosticada com raiva humana na última sexta-feira (29), segundo informou a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) nesta segunda-feira (2). É a terceira morte causada pela doença em Minas Gerais no período de apenas um mês. A Secretaria de Estadual de Saúde investiga um outro caso suspeito (leia detalhes mais abaixo).

A menina indígena, de 12 anos, diagnosticada com a raiva humananão resistiu à doença. Ela estava internada em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital João Paulo II, no Centro de Belo Horizonte, desde o início do mês de abril.

O caso da adolescente foi notificado à Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) no dia 5 de abril, quando ela fez os exames para diagnóstico da raiva. O resultado foi divulgado no dia 19 de abril, confirmando a doença.

A menina foi a segunda paciente em Minas Gerais diagnosticada com a raiva humana nos últimos 10 anos.

Paciente estava internada em UTI do Hospital Infantil João Paulo II, em BH — Foto: Guilherme Pimenta / G1

Paciente estava internada em UTI do Hospital Infantil João Paulo II, em BH — Foto: Guilherme Pimenta / G1

Casos em aldeia indígena

Ela e Zelilton Maxacali, também com 12 anos, viviam em uma aldeia indígena, em uma comunidade rural na cidade de Bertópolis, no Vale do Mucuri. O menino morreu no dia 4 de abril.

Segundo a SES-MG, ambos os casos estão relacionados à mordedura pelo mesmo morcego.

Uma criança de 5 anos, que também morava na aldeia, morreu no dia 17 de abril. A SES-MG passou a investigar o caso, ainda que a vítima não tivesse apresentado os sintomas.

O resultado saiu na terça-feira (26) e foi divulgado na quinta-feira (28), confirmando a terceira morte por raiva humana. O caso segue sob investigação epidemiológica para identificar as circunstâncias do contágio, já que a criança não apresentava sinais de mordedura ou arranhadura por morcego.

Outro caso suspeito

Um caso suspeito permanece em investigação, também na área rural de Bertópolis. Este foi notificado no dia 21 de abril.

A paciente é uma menina de 11 anos, que apresentou sintomas como febre e dor de cabeça. Devido ao parentesco com o segundo caso confirmado, ela foi encaminhada para o hospital e passou por exames. A criança segue internada em leito clínico, estável e em observação.

Cuidados

De acordo com a SES-MG, no último domingo (24), foram enviadas mais doses de vacina antirrábica humana para completar o esquema vacinal da comunidade rural de Bertópolis. Até o dia 28 de abril, 982 pessoas das 1.037 que vivem na comunidade já haviam sido vacinadas coma primeira dose. Outras 802, já tomaram a segunda dose. O intervalo entre as aplicações é de sete dias.

A pasta disse também que já forneceu vacina e soro antirrábico humano para a população exposta e vacina antirrábica animal para cães e gatos da região.

O último caso de óbito por raiva humana em Minas Gerais tinha sido registrado em 2012, em Rio Casca, na Zona da Mata.

Segundo a SES-MG, em caso de qualquer incidente com mamíferos silvestres ou domésticos, sobretudo morcegos, cães e gatos, é importante procurar a unidade de saúde mais próxima para avaliação da necessidade de adoção de medidas profiláticas, como administração de vacina e soro.

OUTRAS NOTÍCIAS