Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

‘Me sinto uma pessoa que não existe’, diz jovem de 19 anos na BA que não tomou vacina contra Covid-19 por falta de documentos

‘Me sinto uma pessoa que não existe’, diz jovem de 19 anos na BA que não tomou vacina contra Covid-19 por falta de documentos

“Eu me sinto uma pessoa que não existe. É horrível viver assim, sem documento. Eles não estão nem aí, me tratam como se eu fosse um cachorro”. Esse é o relato de Celiane Nery, jovem que tem 19 anos, mora em Feira de Santana, cidade a 100 quilômetros de Salvador, e não tem registro civil.

A jovem está impedida de estudar e ir acessar diversos espaços, além de tomar a vacina contra Covid-19 por falta de documentos.

Celiane Nery conta que o nome, que aprendeu a escrever desde pequena, tem se limitado a anotações que faz em cadernos. Isso, porque a jovem não tem registros civis.

“É horrível viver sem registro porque eu não consigo ir a lugar nenhum”, disse a jovem.

Há sete anos Celiane mora com a mãe adotiva Janete Cruz. A mulher conta que a jovem foi abandonada pela mãe biológica quando era criança, chegou a ficar em um orfanato, mas o local fechou e ela teve que morar com um tio, que já tinha muitas crianças em casa.

“Peguei ela e trouxe para minha casa, quando ela tinha 12 anos. A família [da garota] vivia uma dificuldade muito grande, eu trouxe ela para minha casa e cuido dela até hoje”, disse Janete Cruz.

“Eu amo ela de verdade, como se fosse minha filha. É sem palavras para dizer isso”.

A convivência entre Celiane e Janete sempre foi boa e com o tempo, a mulher “adotou” a nova filha. No entanto, sem documentos, essa adoção nunca foi formalizada.

“Até hoje nunca consegui formalizar a retirada desse registro dela. Ela não tem documento, até hoje tento pedir ajuda a Defensoria Pública e até hoje nada”, desabafou Janete. Celiane não tem certidão de nascimento, carteira de identidade, nem CPF.

Com o decreto estadual que exige o comprovante de vacinação contra a Covid-19, a situação de Celiane ficou ainda mais difícil. Além de estar desprotegida contra a doença, a jovem não pode entrar em uma série de lugares, em Feira de Santana que exigem a comprovação.

Na lista de impedimentos para Celiane ainda estão:

  • Dificuldades para ser atendida em posto de saúde;
  • Continuar estudos na escola;
  • Fazer manutenção de aparelho odontológico;
  • Cursar faculdade.

“[A falta de documentação] impede de ela fazer várias coisas na vida dela. Impede de ela realizar o sonho dela”, lamenta Janete, ao lembrar que a jovem pretende resolver a situação e um dia fazer faculdade.

Para isso, a jovem tem que terminar o Ensino Médio. Outra dificuldade encontrada por Janete e Celiane.

“Eu não estou conseguindo fazer matrícula dela em lugar nenhum, porque ela não tem documentação”, contou a mãe adotiva.

Celiane aguarda ajuda da Defensoria Pública — Foto: Reprodução / TV Subaé

Celiane aguarda ajuda da Defensoria Pública — Foto: Reprodução / TV Subaé

Janete conta que a Defensoria Pública entrou em contato e agendou um atendimento. No entanto, só o encontro está marcado para abril.

“Eu fico muito triste, pelo fato de ser uma situação que eles têm como adiantar, resolver a situação dela. Eles deveriam ver ela como um ser humano e não como um nada”, criticou.

“Ela pode não existir no documento, mas ela é um ser humano, ela existe, ela está aqui. Eu acho um absurdo marcar para abril uma coisa que a pandemia está aí, a vacina está aí, e eles sabem a situação e não querem atender porque ela não é vacinada”.

A mulher mostra aflição ao cogitar a possibilidade da filha testar positivo para Covid-19 e precisar ser internada.

“Eu posso ter ela na minha casa, porque é um direito dela. E se ela pegar Covid-19? Como eu vou internar ela?”.

Diante dessa situação, Celiane tem apenas um desejo: “Que um dia eu possa conseguir esse registro. Que eles venham me dar esse documento, que eu tanto preciso para seguir a minha vida”.

A produção da TV Subaé, afiliada da TV Bahia, entrou em contato com a Defensoria Pública para saber a possibilidade do adiantamento do encontro com Janete e Celiane, e até a última atualização desta reportagem, não havia obtido resposta.

Informações: G1

OUTRAS NOTÍCIAS