Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Manter o uso de máscara na escola é indispensável mesmo com o esquema vacinal completo, alertam especialistas

Manter o uso de máscara na escola é indispensável mesmo com o esquema vacinal completo, alertam especialistas

Com o avanço da vacinação em crianças de 5 a 11 anos no Brasil, pais podem se questionar se já poderiam abrir mão do uso da máscara. Especialistas, porém, dizem que ainda não é hora e que decisão tem que partir de autoridades sanitárias.

“Ainda não estamos no momento de tornar optativo o uso da máscara. A variante Ômicron está se espalhando e a máscara continua sendo nosso maior meio de proteção contra a Covid”, explica a infectologista e pediatra Bruna Pedrosa.

De acordo com dados do consórcio de veículos de imprensa divulgados na quinta-feira (17), 32,89% da população de 5 a 11 anos já se vacinou com a primeira dose da vacina. Salvador, uma das capitais com a vacinação infantil mais adiantada, começa a aplicar a segunda dose em crianças a partir dos 6 anos neste sábado (19).

Pedrosa diz que essas crianças devem continuar usando a máscara, que só deve ser abolida por decisão das autoridades competentes.

É preciso estar atento para que o uso da proteção cause incômodo, de acordo com a infectologista. “A máscara pode incomodar se não estiver bem ajustada ao rosto. Ela não precisa estar apertada ao ponto de machucar, mas precisa vedar bem e respeitar o limite do rosto da criança. Máscaras de tecido podem muitas vezes incomodar pela flexibilidade do material, que encosta na narina ao inspirar”. Modelos como a PFF2 e a N95 tem um material mais firme podem ajudar nestes casos.

Para Pedrosa, esses cuidados são necessários para facilitar o uso da proteção, que ainda é indispensável. “Ainda não estamos no momento de tornar optativo o uso da máscara. A variante Ômicron está se espalhando e a máscara continua sendo nosso maior meio de proteção contra a Covid”.

O uso de máscara só pode ser dispensado em casos específicos, avaliados por médicos, como de pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), com deficiência intelectual, com deficiências sensoriais ou outras deficiências que as impeçam de fazer o uso adequado de máscara de proteção, entre outros.

Pedrosa opina que, mesmo com o esquema vacinal completo, a decisão de abolir a obrigatoriedade do uso da máscara só deve ser tomada por autoridades.

Ela defende que crianças não deveriam ver a máscara como algo ruim e que os pais podem evitar isso.

“É preciso conversar com as crianças e explicar o que está acontecendo, que a Covid está deixando muita gente doente e que é preciso manter alguns cuidados contra a doença. A vacina é um deles, assim como a máscara. Por isso, até a situação melhorar, não dá para ver a máscara como inimiga”.

Para o infectologista Luís Felipe Silveira, a máscara precisa ser encarada como uma aliada da saúde que pode passar a fazer parte do dia a dia, como já acontece no Japão. “Não é que não vamos sair dessa situação de pandemia — se todos se vacinarem e usarem máscara pelo tempo necessário, sairemos –, mas a máscara pode proteger em situações que consideramos cotidianas, como quando estamos gripados ou mesmo com uma crise alérgica. Isso ajuda a não espalhar vírus e germes para outras pessoas“.

Sobre o momento atual, o profissional concorda que não é hora de dispensar o uso da máscara. “Antes [de deixar de usar a máscara] precisamos controlar o surgimento de novas variantes e a dispersão das que já existem, e isso só vai ser possível seguindo as recomendações já estabelecidas tomando as duas doses da vacina”.

Os pais podem estimular o uso correto da máscara, de acordo com o psicólogo infantil Estevão Araújo. “Crianças refletem o que veem em casa, o que ouvem dos adultos. É importante que elas tenham um bom exemplo, que saibam que a máscara deve cobrir o nariz e a boca e que o uso é necessário para que elas possam voltar a brincar com os amigos“.

Araújo orienta que os responsáveis sejam empáticos. “Se para os adultos foi difícil se acostumar com a máscara, foi ainda mais para as crianças, que correm, brincam, se abraçam com muita frequência. Mas é um item necessário para a proteção nesse momento. Assim como usamos sapatos para evitar que nossos pés se machuquem, precisamos usar máscara para evitar essa doença”, explica.

Outros cuidados

Além do uso da máscara, outros cuidados também devem ser mantidos no ambiente escolar, como manter o distanciamento e fazer a higienização das mãos.

Também é importante que as salas de aula sejam ventiladas e que o esquema vacinal com a dose de reforço seja completo o quanto antes.

Informações: G1

OUTRAS NOTÍCIAS