Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Mais de 107 mil pessoas devolveram auxílio emergencial recebido de forma indevida

Mais de 107 mil pessoas devolveram auxílio emergencial recebido de forma indevida

O Ministério da Cidadania afirmou já ter recebido de volta cerca de R$ 100 milhões, devolvidos por mais de 107 mil pessoas que receberam indevidamente o auxílio emergencial pago durante a pandemia da Covid-19.

De acordo com a pasta, as pessoas emitiram Guias de Recolhimento da União (GRU) para devolver a quantia, sendo que 81,7 mil devoluções foram feitas por civis, enquanto 25,9 mil foram de militares.

Como devolver o dinheiro
A devolução dos valores recebidos indevidamente pode ser feita pelo site do próprio ministério, na seção do auxílio, bastando que o beneficiário informe o número do CPF e a data de nascimento. Após isso, será preciso selecionar a opção de pagamento da GRU: “Banco do Brasil” ou “qualquer Banco”.

Para pagamento no Banco do Brasil, basta marcar a opção “Não sou um robô” e clicar no botão “Emitir GRU”. Já para pagamento em qualquer banco, é necessário informar o endereço do beneficiário e seguir as indicações.

O sistema vai gerar uma guia com o valor integral recebido pelo cidadão, que pode ser paga em diferentes canais de atendimento dos bancos, como internet banking, caixa eletrônico e guichê de caixa.

Requerimentos analisados pela Dataprev
Segundo o Ministério da Cidadania, a Dataprev, empresa de processamento de dados do governo federal, responsável por processar os pedidos de auxílio emergencial, analisou 148 milhões requerimentos, sendo que 66,9 milhões foram considerados aptos a receber o pagamento, por se enquadrarem nos requisitos de recebimento. Até agora, segundo o governo, foram desembolsados R$ 141,8 bilhões.

O auxílio emergencial é devido às famílias de baixa renda cadastradas no Bolsa Família e no Cadastro Único, além dos desempregados (sem seguro-desemprego) e dos trabalhadores informais, como microempreendedores individuais (MEIs) e contribuintes individuais da Previdência Social.

Denúncias pode ser feitas
Ainda segundo o Ministério da Cidadania, há também um canal aberto para registros de denúncias de fraudes, o Fala.Br, uma plataforma integrada de ouvidoria e acesso à informação da CGU. O Portal da Transparência também traz a relação dos que receberam o auxílio por estado, município e mês de pagamento.

Conforme os dados oficiais da Controladoria-Geral da União (CGU), por exemplo, que cerca de 320 mil agentes públicos receberam o benefício sem ter direito. Além disso, o site criado para a devolução do dinheiro foi lançado em 18 de maio, depois de o Ministério da Defesa admitir que 73.242 militares tinham recebido indevidamente a primeira parcela do benefício de R$ 600.

OUTRAS NOTÍCIAS