Mãe que matou filha e guardou na geladeira diz que pesquisou na internet como esquartejar corpo

design-horizontal-19-540x330

A mãe, que esquartejou a própria filha e colocou o corpo da criança em uma geladeira, no último sábado (26), confessou o crime na delegacia e não demonstrou arrependimento. O fato, que chocou o Brasil, está sendo investigado pela Polícia Civil. A vítima, Alany Floriano, de 8 anos, foi morta enquanto escovava os dentes.

Conforme relatos, a menina já estava morta há pelo menos 20 dias. A mulher foi presa em flagrante após a descoberta macabra ser feita pela sogra. Além de Alany, ela tem outros dois filhos, de 2 anos e 10 meses. As primeiras informações é que o crime foi cometido como uma espécie de vingança contra o ex-marido, a quem Alany considerava como pai.

Logo após o crime, a mulher mudou-se da Zona Leste para Jardim Ângela, na Zona Sul de São Paulo. A mudança ocorreu em 16 de agosto, acompanhada por seu novo parceiro, Jonathan Queiroz dos Reis. Testemunhas relataram que a geladeira, transferida na mudança, estava envolta em um lençol e curiosamente pesada.
Desconfiada, a sogra inicialmente pensou que havia drogas ou armas no eletrodoméstico, decidiu verificar a geladeira no sábado. Foi então que ela descobriu os restos mortais de Alany em uma caixa térmica próxima à geladeira. A Polícia Militar foi imediatamente acionada.

À polícia, ela disse que pesquisou na internet formas de esquartejar o corpo. A criança foi atacada enquanto escovava os dentes. Ela contou ainda que deixou a filha caída, consumindo drogas antes de prosseguir com o ato horrendo. Os restos mortais foram divididos entre uma caixa térmica e a geladeira, que foi enrolada e amarrada.

O caso, gerido pelo delegado Eder Vulczak, foi registrado como homicídio triplamente qualificado. Ruth responderá também por ocultação de cadáver.

Informações extraídas do Visor Notícias

OUTRAS NOTÍCIAS