Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Lugares aparentemente impossíveis que realmente existem

Lugares aparentemente impossíveis que realmente existem
Floresta Torta da Polônia

A Floresta Torta da Polônia (Crooked Forest) há muito atrai os visitantes por causa da sua forma incomum. A ciência sugere que as árvores em forma de J que estão crescendo lá são algo impossível. No entanto, lá estão elas – mesmo que a razão para sua natureza deformada não possa ser explicada, apesar de existirem várias teorias não provadas.

Alguns acreditam que os tanques da Segunda Guerra Mundial achataram as mudas, fazendo com que as árvores tomassem uma forma tão estranha. Mas outros culparam alienígenas, a gravidade ou a espessa queda de neve pela qual a região é conhecida. É possível que a verdade seja mais prática; alguns afirmam que elas foram manipuladas pelos humanos para criar formas feitas sob medida para fins de construção.

Kawah Ijen, na Indonésia

O ativo vulcão Kawah Ijen, em Java, na Indonésia, é um dos vulcões mais extraordinários do mundo. Em vez de produzir a habitual lava vermelha e fumaça preta, suas atividades subterrâneas resultam em lava azul elétrica e chamas subindo para o ar. Nesta deslumbrante ilha indonésia, as espetaculares erupções do vulcão são um espetáculo de se ver.

A lava aqui não é originalmente azul, mas se torna devido a um fenômeno natural. De fato, o vulcão tem alguns dos mais altos níveis de enxofre do mundo e quando os gases sulfúreos do vulcão entram em contato com a temperatura do ar acima de 360ºC, a lava fica azul. Outro fato interessante é que lá acontece uma das mais perigosas operações de mineração de enxofre do mundo; os trabalhadores expostos aos gases tóxicos por longos períodos desenvolvem problemas de saúde. Interessado em visitar? Não vá por conta própria. Mas uma coisa muito legal é fazer uma visita guiada noturna em grupo.

Fenômeno Hessdalen, na Noruega

As Luzes de Hessdalen são lindas – mas intrigantes. Os cientistas há muito ponderaram sua causa. Mas apesar das inúmeras investigações e pesquisas, a razão para este fenômeno norueguês continua desconhecida. Elas foram relatadas pela primeira vez na década de 1930 e cativam os visitantes desde então. Às vezes, o espetáculo dura apenas alguns segundos. Mas em ocasiões, as luzes brilhantes amarelas, brancas, vermelhas, verdes e azuis podem brilhar por mais de uma hora.

Localizado na zona rural da Noruega, as luzes iluminam um trecho de 7,5 milhas do Vale de Hessdalen. Elas podem aparecer durante o dia ou durante a noite e parecem flutuar. Mas ninguém sabe por quê, com cientistas lutando para encontrar uma resposta ou dar uma explicação. As Luzes de Hessdalen são mais prevalentes em alguns períodos do que em outros – com episódios que aumentaram nos anos 80, mas que se mostraram menos comuns em tempos recentes. Isto apenas aumenta o mistério.

Rio Fervente, no Peru

A ciência sugere que não é possível que um rio atinja tais temperaturas. No entanto, escondido nas profundezas da Amazônia peruana, os pesquisadores descobriram evidências do contrário. Em Puerto Inca, o Rio Fervente continua desafiando as normas científicas.

O Rio Fervente atinge temperaturas próximas a 200 graus Fahrenheit. Tentado a dar um mergulho? Você não deveria. As águas aqui são quentes o suficiente para queimar – e em alguns casos, matar. Este é um lugar sagrado e o xamã local acredita que as águas têm poderes curativos. Pensa-se que as linhas debaixo d’água são responsáveis – as águas sendo aquecidas profundamente no subsolo antes de serem empurradas de volta à superfície.

Poço Petrificante, na Inglaterra

Certa vez, pensou-se que a bruxaria estava de volta em North Yorkshire. Não muito longe de Knaresborough, era dito que um poço  transformava objetos em pedra. A Madre Shipton – uma bruxa local muito temida – foi culpada por tal feitiçaria. A ciência sugere algo diferente.

A Madre Shipton foi associada a vários eventos trágicos, prevendo horrores que ela alegava que aconteceriam no reinado Tudor da Inglaterra. O Poço Petrificante deixou a população local aterrorizada nos anos 1600. Itens que entravam em contato com suas águas, viravam pedra. Desde então foi descoberto que o alto conteúdo mineral da água pode ter um efeito petrificante. Não é uma história tão boa, mas é uma explicação mais provável do que a bruxaria.

A Lagoa Azul de Hokkaido

As águas lendárias da Lagoa Azul são perfeitamente coloridas. Localizado próximo à cidade termal de Shirogane Onsen, no Japão, este é um lugar que chama a atenção daqueles que têm olho para o incomum. A lagoa em si é feita pelo homem, mas as intrigantes águas azuis brilhantes dentro dela são todas naturais.

A origem da lagoa remontam aos anos 80, quando o Monte Tokachi entrou em erupção. A fim de reduzir os riscos que os fluxos de lava e deslizamentos representavam, foi construída uma represa e isto levou à formação de várias lagoas – incluindo a Lagoa Azul.A principal razão para a tonalidade vibrante que dá o nome ao Blue Pond é o alto nível de hidróxido de alumínio que pode ser encontrado na água. É definitivamente um lugar que você quer adicionar à sua lista de viagem.

Relâmpago de Catatumbo, na Venezuela

Todos nós já ouvimos o ditado ‘o raio nunca atinge o mesmo lugar duas vezes’. Bem, no lago Maracaibo, na Venezuela, os raios podem atingir até 280 vezes por hora e durar 10 horas por dia. Chamado de Relâmpago de Catatumbo, este é um fenômeno atmosférico que se repete várias vezes. Pensa-se que a topografia e os padrões de vento únicos da região contribuem para este fenômeno, mas a razão não é clara, então esta ocorrência confunde as mentes científicas mais brilhantes do país.

Quando as nuvens de tempestade se acumulam no alto da foz do Rio Catatumbo, você sabe que vai ter um show. E não há trovões, com os relâmpagos ocorrendo num silêncio ensurdecedor que pode ser um pouco assustador. Depois há as cores, com os céus escuros aqui iluminados em vermelho, laranja, rosa e azul.  Você pode participar de uma visita guiada noturna para testemunhar o espetáculo e explorar as savanas tropicais próximas. Certifique-se de cobrir sua câmera!

Chaleira do Diabo, nos EUA

A cachoeira Chaleira do Diabo, também chamada Rio Desaparecido, há muito fascina os visitantes do Juiz C.R. Magney State Park, de Minnesota. Há muito o que ver e fazer neste belo parque, mas a maioria é atraída por esta extraordinária queda d’água. O rio de fluxo rápido desafia as leis da natureza e é um enigma tanto para os cientistas, quanto para os exploradores. Ele se divide em dois, com um lado caindo sobre uma cachoeira, enquanto o outro desaparece sem deixar pistas.

Os cientistas pensam que o rio deve drenar em algum lugar abaixo do Lago Superior, mas eles não conseguiram provar isso. Uma outra hipótese é que esta porção do rio mergulha em um vasto buraco que não pode ser visto da superfície, antes de se juntar ao fluxo principal. Pesquisadores e outros visitantes curiosos lançaram vários objetos no buraco e procuraram por sinais deles na tentativa de resolver o mistério, mas até agora, nenhum foi encontrado.

Pedras sonoras, nos EUA

No norte da Pensilvânia,  aqueles com uma paixão para o inexplicável se reúnem para experimentar uma verdadeira estranheza científica. As rochas que lá se acumulam no solo soam como sinos quando são atingidas. Nosso conselho para quem planeja uma visita? Não se esqueça de levar um martelo. Os cientistas há muito estudam as notáveis pedras sonoras da Pensilvânia, mas uma explicação clara permanece indefinida.

Não se engane: isto é algo que não deveria ser possível. Mas não há dúvida de que as rochas aqui emitem som – embora nem todas sejam audíveis. Uma vez se pensou que apenas um terço das rochas fazia seu som distinto. No entanto, a pesquisa de 1965 descobriu que todas as rochas aqui fazem, mas algum som em um tom mais baixo do que o ouvido humano pode detectar. Essa pesquisa, infelizmente, não determinou a causa.

Mar de estrelas, nas Maldivas

O deslumbrante Mar de Estrelas é um espetáculo para se contemplar. Encontradas nas Maldivas, as ondas parecem o céu noturno, cheio de luzes brilhantes, brilhando como estrelas no oceano. Tudo se resume ao plâncton – organismos microscópicos que tornam o impossível possível. O efeito deslumbrante não poderia ser mais mágico.

Gosta de ver as ‘estrelas’ por si mesmo? A Ilha Vaadhoo, parte do pitoresco Atol de Raa, é um lugar privilegiado – sendo o final dos meses de verão a melhor época para visitar. O plâncton bioluminescente está em seu ponto mais brilhante aqui, com o movimento das ondas provocando uma reação química que faz as ‘estrelas’ brilharem. Pode parecer bom demais para ser verdade. Longe de ser impossível, este é um destino que exige uma visita.

Lago Hillier, na Austrália

Não há dúvida de que o Lago Hillier é uma estranheza científica. A maioria dos lagos é azul, ou talvez verde. Mas as águas cintilantes que banham as margens cênicas do Lago Hillier?São cor-de-rosa chiclete. Localizado em Middle Island, no pitoresco Arquipélago Recherche do Oeste da Austrália, este é um quebra-cabeça que há muito mexe com os cientistas.

Há várias teorias – a principal delas é que os altos níveis salinos do lago, juntamente com uma espécie rara de algas, são responsáveis por sua característica mais notável. No entanto, o Lago Hillier permanece rosa o ano inteiro – e mesmo quando removida do lago e engarrafado, a coloração característica da água permanece tão vibrante como sempre. Tais coisas garantem que o Lago Hillier é um mistério científico.

Linhas Nazca, no Peru

As enigmáticas Linhas Nazca do Peru há muito tempo deixam os cientistas perplexos em busca de uma explicação plausível. Localizadas nas areias quentes do deserto, estes antigos geoglifos são enormes. Alguns datam de 500 a.C., e seu tamanho por si só os torna praticamente impossíveis de entender. Mas estes símbolos são reais – como podem atestar todos aqueles que tiveram a sorte de vê-los pessoalmente.

Somando mais de 10 mil linhas em uma área que se estende por mil quilômetros quadrados neste canto remoto da América do Sul, é difícil de acreditar, mas novos geoglifos estão sendo descobertos o tempo todo. De fato, em 2019, mais 100 foram encontrados, somando-se a uma cifra que já era impressionante. Alguns acham que são feitos por animais ou plantas, mas a verdade é que não há respostas. Melhor visto do ar ou das colinas vizinhas, é difícil acreditar que estes tesouros peruanos sejam mesmo possíveis.

Caverna Movile, na Romênia

Não deveria ser possível existir vida na chamada “caverna tóxica” da Romênia. Mas no fundo de uma planície em Constanta, não muito longe do Mar Negro e da fronteira búlgara, criaturas que nunca viram a luz do sol se escondem em um ambiente que não poderia ser mais inóspito. Descoberta em 1986, acredita-se que a caverna Movile remonta a mais de cinco milhões de anos. O ecossistema interno é único.

O ar é diferente lá embaixo – contendo um terço a meio de oxigênio a menos do que aquele que respiramos na superfície. A atmosfera interna é rica em sulfeto de hidrogênio e dióxido de carbono e a vida é baseada na quimiossíntese, e não na fotossíntese. A vida não deveria existir lá, mas nada menos que 48 espécies diferentes vivem em misteriosa Movile – incluindo sanguessugas, aranhas e um esquisito e maravilhoso escorpião de água. Difícil de acreditar, talvez, mas este lugar realmente existe.

Mar dos Sargaços

Sargaço é um mar dentro do mar, um corpo de água sem fronteiras, cercado por todos os lados por quatro correntes oceânicas. As águas do Atlântico Norte em que se encontra são frias e agitadas, mas o Mar dos Sargaços é estranhamente calmo e quente. Com cerca de 2.000 milhas de comprimento e 700 milhas de largura, o Mar dos Sargaços é grande. Mas não é a sua escala que diferencia este lugar.

A Corrente do Golfo, a Corrente do Atlântico Norte, a Corrente das Canárias e a Corrente Equatorial do Atlântico Norte estão em torno de suas fronteiras invisíveis. Apesar da agitação dos seus “vizinhos”, dentro de seus limites aquáticos, tudo é tranquilo; as águas azuis quentes oferecem um santuário a inúmeras criaturas. As condições aqui encorajam o sargaço a crescer – um tipo de alga marinha que dá ao mar seu nome. Isto atrai os ninhos de tartarugas marinhas e garante um ambiente único e bastante curioso.

A Anomalia do Mar Báltico

Os cientistas estão muito confusos com a Anomalia do Mar Báltico. Descoberto nas profundezas escuras do Golfo de Bótnia, este é um achado subaquático que tem criado um debate há muito tempo. Alguns pensam que é uma formação geológica natural, enquanto outros insistem que é um OVNI afundado. Caçadores de tesouros ficam no fundo do oceano em busca de artefatos históricos e encontraram a Anomalia, em junho de 2011.

Os mergulhadores até produziram uma imagem de sonar. Mas isto é indistinto e tão obscuro que os especialistas continuam divididos sobre o que, exatamente, mostra. Os mais racionais continuam a argumentar que, embora incomum, é possível que a rocha vulcânica tenha se estabelecido em tal formação. Mas aqueles que buscam uma explicação mais rebuscada são inflexíveis, isto é prova de vida no Espaço – até mesmo apontando claras semelhanças em forma com a nave Falcão do Milênio, de Star Wars.

Som de Julia

O som de Julia foi um ruído subaquático inexplicável que tocou nos ouvintes desprevenidos. Aconteceu em 1º de março de 1999. Ninguém mais o ouviu desde então. Isto pode soar misterioso, mas tais coisas estão longe de serem incomuns nas profundezas obscuras dos oceanos. Há inúmeros sons que nunca foram totalmente explicados. Como Julia, existem estes com nomes oficiais – incluindo The Bloop, Upsweep, Slow Down, Whistle e Train.

Especialistas da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA) registraram Julia, mas uma explicação definitiva permanece indefinida. O som de Julia dura cerca de 15 segundos e é assustadora. A causa mais parecida é um grande iceberg, seja quebrando ou encalhando nas águas geladas da Antártica. Independentemente disso, Júlia pode ser ouvida debaixo d’água por muitos quilômetros ao redor. Ninguém pode explicar por que – ou prever quando ou se tal som será ouvido novamente.

Gruner See, na Áustria

Gruner See significa Lago Verde e esta é uma descrição adequada. Mas não conta a história completa. Para quem visita Gruner See durante os meses de inverno, precisa saber que não é um grande destino para mergulhar – o “outro lado” de Gruner See não se revela até a primavera.

Durante grande parte do ano, o chamado Lago Verde é só um lago raso. Mas quando a neve da montanha começa a degelar, a paisagem muda de forma dramática e a transformação é mágica. Toda a bacia é inundada, com as árvores da Estíria, bancos e pontes submersas sob as águas que podem ter até 40 pés de profundidade durante o verão. É um fenômeno que há muito atrai mergulhadores ansiosos para vislumbrar este mundo subaquático impossível.

Porta do Inferno, no Turcomenistão

A cratera de gás de Darvaza é mais conhecida como a Porta do Inferno. É um apelido apropriado. Localizado em uma pequena vila no árido deserto de Karakum, no Turcomenistão, este é um lugar que não parece possível. No entanto, inúmeros visitantes têm viajado para lá durante as últimas quatro décadas – e todos podem atestar que tudo é real demais.

Chamá-lo de Porta para o Inferno atribui a este lugar um status mítico. Mas a ciência tem uma explicação: a porta para o inferno é na verdade produto dos homens. Ela foi aberta nos anos 70 e aconteceu por acidente, quando engenheiros soviéticos descuidados causaram o colapso de um campo de gás natural em uma vasta caverna subterrânea abaixo. Diz-se que o incêndio foi iniciado de propósito, a fim de evitar a fuga do metano. O resultado é espetacular. Desde então, o fogo tem se ateado e ninguém sabe como apagar.

 

 

OUTRAS NOTÍCIAS