Livros revisam trajetória de carreira de Caetano Veloso às vésperas dos 80 anos do artista

Caetano-Veloso-turne-Meu-Coco-5-600x400-1

Prestes a completar 80 anos em 7 de agosto, Caetano Veloso terá sua trajetória revisitada por pelo menos quatro obras literárias em 2022. O cantor, um dos mais influentes no Brasil, já contou sua história em Verdade Tropical, de 1997, que teve o volume avulso Narciso em Férias, relançado como livro em 2020. Agora, se une ao poeta e professor de literatura Eucanaã Ferraz para lançar Letras, publicado pela Companhia das Letras.

A obra reúne pela primeira vez todas as letras escritas do compositor. São analisadas mais de 300 canções que dão conta de toda a produção do compositor —as gravadas em seus discos, as feitas para trilhas sonoras, as registradas em álbuns de outros intérpretes.

Para além da obra com o qual o baiano lança com Eucanaã, Caetano será homenageado por autores que pesquisam e admiram sua contribuição à música popular brasileira. Lado C, de Luiz Felipe Carneiro e Tito Guedes, por exemplo, aborda a sonoridade buscada por Caetano desde o início de sua carreira, com destaque para a virada radical com a BandaCê, power trio que montou em 2006 com músicos 30 anos mais jovens. Em um período de 10 anos, foram três discos de canções inéditas, outros três ao vivo e grandes turnês que rodaram o Brasil e o mundo.

“Pesquisamos algumas centenas de reportagens e entrevistamos os personagens principais desta história toda: Pedro Sá, Ricardo Dias Gomes, Marcelo Callado e, sim, o próprio Caetano”, revelou Luiz Felipe Carneiro, em uma publicação nas redes sociais.

“Mais 40 pessoas foram entrevistadas e a lista é imensa: Jaques Morelenbaum, Jards Macalé, David Byrne, Vinicius Cantuária, Zé Luis, Arto Lindsay (que assina a orelha), Moreno Veloso, Marcelo Costa, Dadi Carvalho, Davi Moraes, João Bosco, Arnaldo Brandão, Psirico, Rodrigo Amarante, entre tantos outros que participaram de todos os períodos da carreira do Caetano, em especial da fase Cê. Muito feliz de ver esse trabalho meu e do Tito, e que durou cerca de um ano e meio, finalmente ficar pronto”, completou. Assim como Letras, Lado C também está previsto para chegar às livrarias em 29 de julho.

Em outro título, Lançar Mundos no Mundo: Caetano Veloso e o Brasil, editado pela Fósforo, Guilherme Wisnik investiga a relação do perfil biográfico e intelectual do baiano com seus discos, momentos históricos em que estão inseridos, relações de Caetano com outros músicos, nacionais e estrangeiros, bem como do respeito que ganhou do público ao longo das décadas, do exílio na ditadura militar às querelas envolvendo a lei Rouanet no governo Bolsonaro. A obra está atualmente em pré-venda e será lançada dois dias antes do aniversário de Caetano, em 8 de agosto.

Outras Palavras, de Tom Cardoso, com lançamento em 8 de agosto, mergulha nos 80 anos de Caetano, suas influências e todas as polêmicas que marcaram sua trajetória. A juventude em Santo Amaro embalada pelos filmes de Federico Fellini, os contos de Clarice Lispector, a rivalidade fabricada pela imprensa contra Chico Buarque, a nova poética musical da Tropicália e a postura sexual avessa a binarismos são alguns dos aspectos abordados ao longo das 308 páginas da obra.

Fonte: metropoles.com

OUTRAS NOTÍCIAS