Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Justiça do Ceará determinou prisão de DJ Ivis baseada em tentativa de homicídio, diz colunista

Justiça do Ceará determinou prisão de DJ Ivis baseada em tentativa de homicídio, diz colunista

O Poder Judiciário do Estado do Ceará determinou a prisão preventiva de DJ Ivis na última quarta-feira (14), por considerar a prática dos delitos artigo 121  que presumem tentativa de homicídio, e do artigo 129, configura violência doméstica. As informações são do colunista Leo Dias.

“O paciente foi preso preventivamente no dia 14 de Julho de 2021 após a expedição de decreto preventivo pela autoridade coatora, a qual acolheu representação formulada pela autoridade policial sob fundamento de que o paciente teria incidido na prática dos delitos previstos nos arts.121 c/c 14, II; 129, §2°; 129, §9° e 147 do CPB, tendo como vítima sua ex-companheira Pâmela Gomes Holanda”, escreveu o Juiz de Direito da Vara Única Criminal da Comarca de Eusébio.

Na última sexta-feira (16) foi realizada a audiência de custódia, onde a defesa pediu as medidas cautelares, como o uso de tornozeleira eletrônica, que foi negada pelo juiz.

De acordo com a Justiça, além da tentativa de homicídio, o fato de o produtor musical demonstrar que não tinha “sentimento de culpa”, já que após as agressões voltava para dormir com vítima sua ex-esposa Pamella Holanda, foi determinante para decisão.

“Quanto ao fundamento da preventiva – garantia da ordem pública – caracterizador do periculum libertatis da cautelar, revela-se na propensão do representado ao cometimento de crimes desta natureza, o qual, frise-se, aparenta não sentir remorso, vez que, como destaca o douto Delegado de Polícia o seguinte trecho colhido: ‘Que no final da tarde do dia 01/07/2021, seu companheiro retornou a casa e se comportou como se nada tivesse ocorrido, chegando a dormir na mesma cama da declarante’ (passagem da declaração de Pamela), restando profusamente demonstrada a necessidade da prisão, a fim de coibir a reiteração de condutas criminosas e a prática de crimes mais grave contra a vítima.

No caso destes autos, em razão da natureza grave do crime imputado, verifica-se presente a necessidade de garantir a ordem pública, pela decretação da prisão preventiva, mormente por tratar-se de crime cuja repressão mostra-se urgente em todo o País”.

Informações: BNews

OUTRAS NOTÍCIAS