Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Júri absolve acusado de armar emboscada para matar amigo

Júri absolve acusado de armar emboscada para matar amigo

A Justiça decidiu, por meio de júri popular, absolver um homem e condenar outro a 13 anos de prisão pelo assassinato do advogado Jarbas Feitoza Filho, de 33 anos, em Sergipe. O julgamento começou na manhã desta quarta-feira (13) e terminou na madrugada desta quinta (14), em Aquidabã.

O condenado foi Genison Pereira. O homem absolvido, Gutemberg Barreto, conhecido como Papá, era amigo da vítima. Papá foi acusado de articular o crime, armando uma emboscada. Por quatro votos a três, os jurados entenderam que ele não teve participação e a liberdade dele foi decretada.

O crime ocorreu no dia 11 de março de 2019, em uma propriedade rural da vítima, que teria ido para o local fazer uma suposta troca de animais e acabou baleada com três tiros, em Aquidabã. O advogado deixou três filhos e esposa.

Inicialmente, três suspeitos foram investigados, Alcivan Barbosa de Andrade, Genison Pereira que assumiu ser o autor dos disparos, e Gutemberg Barreto, suspeito de articular a emboscada. Alcivan foi solto dias depois após a defesa alegar e a Justiça aceitar que ele não teve nenhum tipo de relação com os demais investigados.

De acordo com a defesa do suspeito, Vagner Roger, o Júri Popular foi o responsável por sentenciar os réus do caso. “Papá” foi declarado inocente após voto de desempate e absolvição.

“O Genison assumiu perante que ele foi o executor dos disparos, perante o conselho de sentença, perante o ministério público da comarca de Aquidabã. O Papá, como já era esperado, toda Aquidabã sabia da inocência dele, ele está absolvido, o magistrado já está pedindo alvará e sua família já está indo lá buscar, todo mundo sabe que ele nunca faria isso”, disse Vagner à Rádio Fan FM.

Segundo a polícia, o crime foi motivado por agiotagem. Na época, os suspeitos fugiram levando o dinheiro e o aparelho de celular do advogado. Os dois foram presos alguns dias após o crime.

Informações: BNews

OUTRAS NOTÍCIAS