Jovem que matou mulher em São Paulo diz, ‘Foi por diversão’

Um rapaz de 18 anos foi preso nesta quinta-feira, 3, suspeito de matar uma mulher de 62 anos e enterrar o corpo no jardim da casa dela, em Barretos, interior de São Paulo. Leonardo Silva foi detido no município de Frutal, em Minas Gerais. Ele foi identificado com base em imagens de câmeras de vigilância da própria casa e de ruas próximas.

Conforme a Polícia Civil, o rapaz morava nos fundos da casa da vítima, Nilza Maria Aparecida Costa Pingoud. Ele teria se apresentado como travesti e foi acolhido pela mulher, que morava sozinha. A causa da morte ainda é investigada, mas a polícia acredita que ela foi asfixiada enquanto dormia.

O autor do crime zombou da prisão durante o interrogatório. O rapaz chegou a mandar um beijo para os policiais e deixou o local com um sorriso no rosto.

“Matei, gente. Mais por diversão também. […] Eu vou matar e vou me arrepender porque?”

Para se livrar do corpo, o agressor a enterrou no jardim. Ele fugiu levando o celular e dinheiro da vítima. O aparelho foi usado para fazer movimentações financeiras em contas bancárias de Nilza quando ela já estava morta.

Após ser identificado, o suspeito teve a prisão decretada. A polícia localizou o suspeito em um posto de combustível, em Frutal. Ele foi preso sem enfrentar resistência.

Levado para a delegacia da Polícia Civil de Frutal, ele teria confessado o crime informalmente para os policiais. No fim da tarde, o suspeito foi transferido para Barretos, onde prestaria depoimento oficial.

De acordo com o delegado Rafael Faria Domingos, responsável pelo caso, tudo indica que o suspeito agiu sozinho, por ambição, e pode ter premeditado o crime. Ele conseguiu senhas e usou o dinheiro da vítima para comprar uma motocicleta, que foi apreendida pela polícia. O suspeito responderá pelo crime de latrocínio – roubo seguido de morte.

Nilza Maria Aparecida Pingoud morava sozinha em sua casa, no bairro Los Angeles, desde que ficou viúva, há cerca de quatro anos. Os vizinhos estranharam o fato dela não ter saído de casa há quase uma semana e avisaram a polícia. Como a casa estava fechada, os investigadores usaram uma escada para pular o muro e viram que o jardim estava remexido. O corpo foi encontrado.

Até o fim da tarde desta quinta-feira, o suspeito não tinha defensor nomeado. Assim que a defesa for constituída, a reportagem ouvirá a versão apresentada por ele.

Correios

OUTRAS NOTÍCIAS