Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Irmão do apóstolo Valdemiro Santiago, morre de Covid-19

Irmão do apóstolo Valdemiro Santiago, morre de Covid-19

O bispo Vanderley Santiago, de 53 anos, morreu de Covid-19, nesta segunda-feira (28), em São Carlos (SP). Ele era irmão do apóstolo Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial do Poder de Deus, que chegou a vender sementes de feijão sob o argumento de que teriam eficácia terapêutica para a cura da doença — o que não é verdade.

De acordo com informações da prefeitura, Vanderley procurou atendimento no Centro de Triagem do Ginásio Milton Olaio Filho, local conhecido como “covidário”, e, posteriormente, foi transferido para a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) do Santa Felícia, onde sofreu uma parada cardiorrespiratória e não resistiu.

Ainda segundo a prefeitura, ele estava positivo para a Covid-19 e já havia tomado a primeira dose da vacina em 16 de junho. Ainda não há informações sobre enterro.

No vídeo abaixo, saiba sobre a importância de continuar usando máscara e mantendo os cuidados necessários para evitar disseminação e contágio mesmo após a vacina:

O G1 não conseguiu localizar a família do bispo. A Igreja Mundial do Poder de Deus foi procurada e informou que não vai se manifestar sobre o assunto.

‘Feijão mágico’

O apóstolo Valdemiro Santiago vendia sementes que ele afirmava curar a Covid por valores entre R$ 100 a R$ 1 mil — mas a terapia não funciona nem tem nenhum respaldo científico.

O Ministério Público Federal (MPF) investiga indícios de estelionato por parte do pastor nos vídeos disponibilizados incentivando fiéis a plantar as sementes por ele comercializadas. Na ação, o MPF afirma que os feijões não curam e são propaganda “enganosa”.

Em outubro do ano passado, a Justiça determinou que o governo federal informasse no site do Ministério da Saúde se havia ou não eficácia comprovada das sementes de feijão no combate à doença. A determinação foi feita pela 2ª vez em janeiro deste ano.

Em maio do ano passado, a Igreja Mundial do Poder de Deus alegou que não se referia a venda de uma “promessa de cura”, mas sim o início de um propósito com Deus”.

Informações: G1

OUTRAS NOTÍCIAS