Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

IPCA: inflação acelera para 1,01% em fevereiro, maior taxa para o mês desde 2015

IPCA: inflação acelera para 1,01% em fevereiro, maior taxa para o mês desde 2015

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerada a inflação oficial do país, acelerou para 1,01% em fevereiro, após ter registrado taxa de 0,54% em janeiro, segundo divulgou nesta sexta-feira (11) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Trata-se da maior variação para um mês de fevereiro desde 2015 (1,22%) e da maior taxa mensal desde outubro do ano passado (1,25%), mesmo sem contar o reajuste nos combustíveis anunciado nesta quinta-feira pela Petrobras. Veja gráfico abaixo:

IPCA mensal - fevereiro/22 — Foto: Economia g1

IPCA mensal – fevereiro/22 — Foto: Economia g1

Em 12 meses, o IPCA acumula alta de 10,54%, acelerando frente aos 12 meses até janeiro (10,38%), se mantendo acima do dobro do teto da meta para o ano.

resultado veio um pouco acima do esperado. Pesquisa da Reuters apontou que a expectativa de analistas era de alta de 0,95% em fevereiro, acumulando em 12 meses alta de 10,50%.

Todos os grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta em fevereiro, mas os principais impactos vieram dos preços dos grupos Educação (5,61%) e Alimentação e Bebidas (1,28%). Juntos, os dois grupos representaram cerca de 57% da inflação de fevereiro.

“Em fevereiro, são incorporados no IPCA os reajustes habitualmente praticados no início do ano letivo. Portanto esse foi o item que teve o maior impacto no mês, com peso de 0,31 ponto percentual. O outro grupo que pesou bastante no mês foi o de Alimentação e bebidas, que acelerou para 1,28% e contribuiu com 0,27 ponto percentual”, explicou o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov.

IPCA em 12 meses - fevereiro de 2022 — Foto: Economia g1

IPCA em 12 meses – fevereiro de 2022 — Foto: Economia g1

Veja a inflação de fevereiro para cada um dos grupos pesquisados

  • Alimentação e bebidas: 1,28%
  • Habitação: 0,54%
  • Artigos de residência: 1,76%
  • Vestuário: 0,88%
  • Transportes: 0,46%
  • Saúde e cuidados pessoais: 0,47%
  • Despesas pessoais: 0,64%
  • Educação: 5,61%
  • Comunicação: 0,29%

Já o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), principal referência para reajustes salariais, subiu 1% em fevereiro, acima do percentual de 0,67% de janeiro, acumulando alta de 10,8% nos últimos 12 meses.

O que mais subiu

No grupo Educação, o maior impacto na inflação do mês veio dos cursos regulares (6,67%), com destaque para o ensino fundamental (8,06%), a pré-escola (7,67%) e o ensino médio (7,53%). Os preços dos cursos de ensino superior e de pós-graduação subiram 5,82% e 2,79%, respectivamente. Os cursos diversos, por sua vez, tiveram alta de 3,91%, sendo que o maior aumento foi verificado nos cursos de idioma (7,29%).

Já a inflação dos preços do grupo de Alimentação e Bebidas foi pressionada pela alta mais intensa dos alimentos para consumo no domicílio (1,65%), com destaque para itens como batata-inglesa (23,49%), cenoura (55,41%), frutas (3,55%). Por outro lado, houve queda nos preços do frango inteiro (-2,29%) e do frango em pedaços (-1,35%).

“Em fevereiro, o grupo de alimentação sofreu impactos dos excessos de chuvas e também de estiagens que prejudicaram a produção em diversas regiões de cultivo no Brasil”, destacou Kislanov.

Entre os Artigos de residência, pesaram as altas de eletrodomésticos e equipamentos (3,18%) e de mobiliário (2,43%). Nos últimos 12 meses, os itens acumulam variações de 17,85% e 18,31%, respectivamente.

Preços dos combustíveis

No grupo Transportes, os combustíveis (-0,92%) se destacaram com queda pelo terceiro mês consecutivo, sendo a mais acentuada a do etanol (-5,04%). Já o preço da gasolina recuou 0,47%. Por outro lado, foram verificadas altas nos preços do óleo diesel (1,65%) e do gás veicular (2,77%).

Vale lembrar, porém, que nesta quinta-feira (10), a Petrobras anunciou reajuste de 18,8% no preço da gasolina nas refinarias e de 24,9% no valor do diesel, o que deve manter sob pressão o IPCA de março. O último reajuste tinha sido feito em 11 de janeiro.

Em 12 meses, a gasolina acumula avanço de 32,62% no país, e o diesel, de 40,54%, segundo o IBGE.

Projeção e meta para o ano

Apesar da queda do dólar nas últimas semanas, os preços mais altos das commodities em meio à guerra na Ucrânia e o novo aumento nos preços dos combustíveis no país pressionam para um quadro inflacionário ainda pouco confortável.

Em 2021, a inflação oficial foi de 10,06%, sendo a maior alta desde 2015.

média das expectativas do mercado para a inflação fechada de 2022 está em 5,65%, mas vários analistas já projetam um IPCA acima de 6% no ano. Com isso, a tendência é de estouro do teto do sistema de metas pelo segundo ano seguido.

A meta central para o IPCA deste ano é de 3,50% e será oficialmente cumprida se o índice oscilar entre 2% e 5%. O objetivo foi fixado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-lo, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia, que está atualmente em 10,75% ao ano. A projeção do mercado é de Selic em 12,25% ao ano ao fim 2022.

Para 2023, os economistas estimam em 3,51% a taxa de inflação. Para o próximo ano, a meta foi fixada 3,25%, e será considerada formalmente cumprida se oscilar entre 1,75% e 4,75%.

Informações: G1

OUTRAS NOTÍCIAS