Instituto Família Azul implanta biblioteca adaptada para autistas

Crianças a partir dos 2 anos e jovens até os 18 acompanhados pelo Instituto Família Azul Ildes Ferreira agora têm acesso à literatura com a implantação da BiblioTEA – primeira biblioteca adaptada para Autista do Brasil.

As obras que compõem o acervo foram resultado de doações através de um drive-thru literário realizado em 2020, durante a pandemia, em que mobilizou a sociedade feirense. Entre os autores infantis, o escritor brasileiro Monteiro Lobato.

“A ideia da biblioteca surgiu de uma conversa, em 2017, com o então ex-secretário municipal de Desenvolvimento Social, Ildes Ferreira. Professor universitário, ele sempre foi um fascinado pela leitura e pelo mundo dos livros e nos sugeriu montar esse espaço para levar o mundo literário para essas crianças, considerando as particularidades de cada um”, relata Cintia Souza, presidente do Instituto Família Azul.

O primeiro livro da biblioteca apresentado às crianças e jovens autistas foi a obra  “E pele tem cor?”, da escritora Fabiana Barboza, editora Prazer de Ler.

“Trabalhamos de forma lúdica os conceitos e conflitos sociais. O nosso objetivo a partir da contação de histórias é desenvolver o cognitivo, as sensações, a atenção compartilhada, o tempo de espera, potencializando neles a conduta comportamental de um ambiente atípico”, explica Cintia Souza.

A intenção, segundo a presidente do Instituto Azul, é abrir posteriormente a BiblioTEA para a comunidade. “Nesta fase inicial estamos monitorando as reações das nossas crianças e adolescentes porque nenhum autista é igual ao outro. Isso servirá de base para atendermos as demais pessoas da comunidade”.

Atualmente são acompanhados pelo instituto 112 autistas, onde recebem atendimento multidisciplinar de segunda a sábado por uma equipe composta por 15 especialistas.

O Instituto Família Azul está situado na rua Andarai, número 18, bairro Jardim Cruzeiro. Foi fundado há oito anos.

Secom

OUTRAS NOTÍCIAS