Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Infectologista alerta para aumento de pessoas sem máscara nas ruas de Feira de Santana

Infectologista alerta para aumento de pessoas sem máscara nas ruas de Feira de Santana

O que era para ser regra, o uso da máscara de proteção como meio de prevenção à contaminação da Covid-19, está virando exceção. Principalmente nos bairros, onde é comum vir grupos sem proteção mecânica.

O distanciamento, outra maneira de evitar a infecção, também vem sendo diminuído. O ideal seria 1,5 metro, mas o que se vê é o encurtamento, que ficou em poucos centímetros.

O comportamento das pessoas sinaliza que elas perderam a noção ou medo do perigo da transmissão horizontal desta infecção, bem como os seus efeitos danosos no organismo – em caso de complicação.

A infectologista Melissa Falcão, que coordena o Comitê Municipal de Enfrentamento ao Coronavírus, diz existir uma relação direta deste comportamento com o aumento do número de infectados nos últimos dias.

”Não é hora de relaxar, mas intensificar com esta medida de proteção, que é simples, eficiente e barata”, afirma a médica.

Nas ruas do centro, ainda se vê pessoas sem a devida proteção, mesmo que em baixo número, ou usando máscaras de maneira inadequada, em maior quantidade, como posicionada no queixo, cobrindo apenas a boca ou o nariz.

Em alguns nichos, a ausência das máscaras é mais sentido. Como entre os vendedores de frutas e verduras, localizados na praça Bernardino Bahia e na rua Marechal Deodoro.

Lá, praticamente todos os vendedores destes produtos ficam com nariz e boca descobertos durante todo o dia de trabalho. As negociações são feitas diretamente, coisa de pouco mais de um metro de distância.

O problema aumenta com a proximidade entre os transeuntes, devido o estreitamento causado pelo posicionamento dos tabuleiros e barracas. Se não prestar atenção, perigosamente esbarram uns nos outros.

Informações PMFS

OUTRAS NOTÍCIAS