Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Hospital Feirense EMEC é vendido a Grupo Mater Dei por mais de duzentos milhões

Hospital Feirense EMEC é vendido a Grupo Mater Dei por mais de duzentos milhões

O grupo de saúde Mater Dei anunciou nesta terça-feira 8, que seu conselho de administração aprovou a compra do hospital Emec  em Feira de Santana em uma transação que avaliou a empresa em 205,9 milhões de reais.

A companhia afirmou que o Emec é um hospital geral de alta complexidade com mais de 40 especialidades e oferece ambulatório e medicina diagnóstica e conta com 126 leitos operacionais, dos quais 30 UTIs. A empresa possui plano de expansão para um total de 150 leitos operacionais.

A Mater Dei informou que o custo da aquisição equivale a 1,37 milhão de reais por leito e que a transação “fortalece o hub de assistência hospitalar da companhia na Bahia”.

Segundo comunicado, a receita do Emec no ano passado somou 131 milhões de reais.

Foto Montagem

Diz a sabedoria popular que “o rio só corre para o mar”. Isto significa dizer, no caso das FUSÕES empresariais, analisar as experiências vividas e fazer escolhas por um novo caminho de acordo com as novas situações que se apresentam. No concorrido mercado empresarial, a busca pela “sobrevivência” é salutar, o livre comércio permite isso. Mas essas FUSÕES muitas vezes acabam deixando o consumidor final perdido e perdendo, ficando refém, não tendo a livre concorrência para comprar/adquirir o que desejar onde bem quiser, especialmente de quem oferece menor preço, bom atendimento, condições de pagamento etcetera, etcetara, etcetara.

As fusões ou os grandes conglomerados têm outro problema para os profissionais de qualquer área: boa parte paga muito mal pela mão de obra, coloca o preço que entendem ser justo e muitas vezes a qualidade do serviço deixa a desejar. Foi assim que aconteceu com algumas faculdades particulares na Bahia nos quais grupos americanos compraram essas instituições, demitiram professores com mestrado e/ou doutorado e os substituíram por profissionais sem qualquer experiência, iniciantes que mal concluíram a graduação.

Falando em FUSÃO, ou venda/compra, nos últimos dias foi muito noticiado na Princesa do Sertão transações comerciais envolvendo três hospitais em nossa querida Feira de Santana: Maternidade Santa Emília que foi adquirida pela rede D’Or; Hospital de Traumatologia e Ortopedia (HTO) vendido para o Grupo Nobre do empresário Jodilton Souza e o Hospital EMEC, que depois de 50 anos atuando em Feira de Santana, foi vendido para o grupo MaterDei.

Daqui, ficamos na torcida para o sucesso dos novos empreendimentos, dos empresários que investiram milhões de reais e acabam de fazer essas aquisições. Torcemos também para que os profissionais sejam valorizados, que mais serviços ligados à saúde sejam ofertados e, sobretudo, que nós, pobres mortais “PACIENTES”, sejamos tratados/atendidos com respeito, dignidade e que os preços cobrados sejam justos em quaisquer dos serviços.

Que as FUSÕES/aquisições  continuem acontecendo e não se transformem em (con)FUSÕES, e que os pequenos empreendimentos também possam avançar, fortalecerem-se e ao outro, cooperando para o desenvolvimento/melhoramento da saúde em Feira de Santana, na Bahia, no Brasil. E mais, que os recursos advindos destes negócios gerem emprego e renda na cidade.

Informações: Conectado News

OUTRAS NOTÍCIAS