Hospital da Mulher tenta melhorar atendimento fazendo Classificação de Risco em pacientes

Classifica__o-de-risco-Hospital-da-mulher-Let_cia-Sampaio

Classifica__o-de-risco-Hospital-da-mulher-Let_cia-Sampaio

Diante de tantos problemas que o  Hospital da Mulher em Feira de Santana vem enfrentando nos últimos meses, a unidade está tentando de todas as formas agilizar o atendimento ao público e para isso, duas enfermeiras estão fazendo a Classificação de Risco das parturientes que buscam atendimento. O serviço, que é novo, define em qual estágio está o trabalho de parto e classificam as pacientes em três níveis: verde, amarelo e vermelho – elas recebem fitas nas cores citadas, que são colocadas nos pulsos.

É a classificação que determina o atendimento. Os urgentes são levados para a avaliação dos médicos. “As enfermeiras foram devidamente treinadas para fazer este tipo de triagem”, disse a diretora-presidente da Fundação Hospitalar de Feira de Santana, Gilberte Lucas.

A Classificação de Risco, explica a diretora, prioriza o atendimento com base em critérios clínicos e não por ordem de chegada. Nem toda mulher que chega ao hospital com sintomas de que vai dar à luz o fará naquele momento. As enfermeiras a observarão e farão alguns exames que apontarão o estágio de trabalho de parto que se encontra.

O acolhimento é imediato. “As profissionais identificam aquelas que tem necessidade de atendimento imediato ou as que podem esperar que os casos de urgência sejam solucionados”, comenta Gilberte Lucas. O serviço vai dinamizar o atendimento na unidade hospitalar, que atende, em média, 30 mulheres por dia. Mas na semana passada, 110 foram avaliadas. Destas, 40 pariram.

“Esta é uma maneira para reorganizar o atendimento a partir do acompanhamento por uma equipe devidamente treinada até o primeiro contato com a equipe médica”, diz Gilberte Lucas.

OUTRAS NOTÍCIAS