Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Homens são presos após roubarem relógios de luxo em bairros nobres

Homens são presos após roubarem relógios de luxo em bairros nobres

Os relógios de luxo entraram no gosto de criminosos que têm se especializado em roubar esses tipos de objetos, sobretudo os da marca Rolex. E não é só em Salvador que episódios como esses tem chamado atenção. Na terça-feira (19), dois homens foram presos após roubar relógios em um bairro nobre da Grande São Paulo.

De acordo com informações do G1, João Carlos Alves Monteiro, de 21 anos, e Carlos Muller dos Santos Rosa, de 29 anos, se disfarçavam de entregadores por aplicativos para abordar as vítimas. Com eles, a polícia apreendeu duas motos – uma delas roubada – seis capacetes, seis relógios, R$ 6.500, caixas de entregadores de comida e as roupas que eram usadas durante os assaltos.

Também nesta semana, um homem foi preso em São Paulo após roubar um relógio avaliado em R$100 mil. A vítima estava entrando em um restaurante quando foi abordada pelo suspeito, que também estava disfarçado de entregador de delivery. Em um outro ataque ele abordou com uma arma dois homens que saiam do bar. Por pouco, ele não conseguiu levar o objeto da vítima avaliado em R$110 mil.

O homem foi identificado como José da Silva, de 24 anos. Ele já estava sendo procurado pela polícia por roubo e tráfico. Durante as ações, além de utilizar vestimenta de entregador, ele costuma se vestir de maneira social para não chamar atenção. 

Em Salvador, a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) apura se houve omissão durante a ocorrência envolvendo três homens que foram pegos pela polícia, na tarde do último sábado, dia 23, com joias e relógios supostamente roubados. Após serem conduzidos pelos agentes para uma delegacia, todos foram soltos. Os objetos também foram devolvidos, embora nenhum deles soubessem dizer sobre a origem dos artigos de luxo.

Em nota enviada ao BNews, o secretário da pasta afirma que o caso será apurado pela Corregedoria Geral. “Se ficar comprovada alguma irregularidade, tomaremos as providências legais”, declarou Ricardo Mandarino.

OUTRAS NOTÍCIAS