Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

HGCA recebeu 1.703 vítimas de acidentes este ano, sendo 1.300 de acidentes com motos

HGCA recebeu 1.703 vítimas de acidentes este ano, sendo 1.300 de acidentes com motos

Nos últimos meses, Feira de Santana tem registrado muitos acidentes no trânsito. Entre janeiro e setembro, a Superintendência Municipal de Trânsito (SMT) registrou 2.350 acidentes, 243 com vítimas e oito com vítimas fatais.

De acordo com a coordenadora da emergência do Hospital Geral Clériston Andrade Dra. Élvia Fagundes, de setembro até aqui, o número de acidentes vem aumentando.

‘A gente tem um volume muito grande de acidentes automobilísticos, este ano foram registrados no hospital mais de 1.00 acidentes com mais da metade dos registros, em torno de 1.300, acidentes com motocicletas. O nosso pronto socorro atende os pacientes que precisam de atendimento especializado, hoje tem unidades com pronto atendimento com capacidade de atendimento a ortopedia e traumas leves, já os mais graves que precisam de tratamento e podem precisar de procedimento cirúrgico, são todos destinados a essa unidade’, afirma.

A Dra. ressalta que a faixa etária das vítimas desses acidentes é maioria de jovens entre 20 e 40 anos, em maior percentual de homens.

‘É uma demanda muito grande de recursos, ocupação muito grande de leitos, esses pacientes demandam muito sobre internamento, materiais cirúrgicos, transfusão de hemocomponentes que foi reduzido a doação por parte da população nessa pandemia, mobiliza todos os setores da área de saúde’, pontua.

Em um comparativo com o ano de 2019, a coordenadora destaca uma redução dos números.

‘Ano passado foram 2.555 casos de acidentes, sendo 1.922 com motos. Esses dados são dos doze meses do ano, agora ainda faltam uns dias para fechar o ano, mas com certeza vai haver redução em relação ao ano passado, mas no pico da pandemia, a gente sentiu uma redução muito grande desses números, o que refletiu muito nos dados totais, mas agora nesses últimos meses, voltamos aos grandes números desses casos’, diz Élvia.

Com informações do repórter Joaquim Neto

OUTRAS NOTÍCIAS