Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Greve na Petrobras já parou 23 plataformas

Greve na Petrobras já parou 23 plataformas

greve-na-petrobras-ja-parou-23-plataformas

Das 44 plataformas instaladas na Bacia de Campos para a produção de petróleo e gás natural, 23 estão com o funcionamento completamente interrompido durante a greve liderada pela Federação Única dos Petroleiros (FUP). Outras oito plataformas operam parcialmente. Com isso, cerca de 500 mil barris de petróleo por dia (bpd) deixaram de ser produzidos desde o início do movimento, às 19h de ontem, estima o Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro-NF), ligado à federação. O volume representa 25% da produção total da Petrobras.

O balanço da greve, com o número fechado sobre o efeito na produção, deve ser apresentado pela FUP por volta das 18h. Em cinco plataformas da Bacia de Campos, a produção está sendo mantida por pessoal de contingência selecionado pela Petrobras. O diretor do Sindipetro-NF, Leonardo Ferreira, acusa a empresa de escalar para o trabalho funcionários que ocupam cargos de coordenação, sem experiência na rotina operacional.

Em nota oficial, a Petrobras informou que toma medidas para garantir “a segurança dos trabalhadores e das instalações” e também para manter abastecido o mercado interno de combustíveis. Segundo a empresa, as consequências da greve ainda são avaliadas. “Em alguns locais, estão ocorrendo bloqueios de acessos, cortes de rendição de turno e ocupação”, diz o comunicado da Petrobras.

A produção na Bacia de Campos poderá parar caso a direção da Petrobras se negue a negociar com os petroleiros, disse Ferreira, do Sindipetro-NF. Ao mesmo tempo, ele nega que seja essa a intenção dos grevistas. “O que queremos, de fato, é forçar a direção a sentar com os trabalhadores para conversar. Como o mercado será abastecido é um problema da Petrobras, não nosso”, afirmou.

A Bacia de Campos responde por pouco mais de 70% da produção nacional de petróleo dos 2 milhões de bpd de petróleo extraídos no País. Para paralisar totalmente o Norte Fluminense, os grevistas ainda têm de intervir no funcionamento de sete plataformas que hoje estão em pleno funcionamento.

A pauta de reivindicação da FUP não inclui ganhos trabalhistas, mas tem caráter político, segundo Ferreira. O alvo é o plano de desinvestimento da Petrobras. Os sindicalistas querem evitar a venda de ativos da petroleira e a perda de postos de trabalho. No mês passado, a direção da Petrobras anunciou que o conselho de administração aprovou a venda de 49% da Gaspetro, subsidiária de distribuição de gás natural, e que ainda procura um sócio para a BR Distribuidora. Essa tem sido a solução apresentada pela Petrobras em resposta ao alto endividamento que compromete sua capacidade de investimento.

A Tarde

OUTRAS NOTÍCIAS