Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Funcionária do Colégio Agostinho Froes da Mota diz que será difícil entregar pasta a alunos e dizer: “você não vai mais estudar aqui”

Funcionária do Colégio Agostinho Froes da Mota diz que será difícil entregar pasta a alunos e dizer: “você não vai mais estudar aqui”
Dentre os diversos discursos que ocorreram nesta terça (8) na Câmara Municipal, na primeira  Tribuna Livre ocorrida na Casa este ano, esteve o da funcionária do Colégio Estadual Agostinho Froes da Mota, Edylucia Rios, que também se pronunciou contraria à municipalização da unidade escolar, assim como o professor Ayrton Araujo e a presidente da APLB, Marlede Oliveira.
Para a funcionária do colégio, é impossível detalhar todos os motivos que corroboram para que não haja a municipalização da unidade. “É uma honra estar aqui representando todos os funcionários do Colégio Estadual Agostinho Froes da Mota. Será impossível detalhar todos os motivos para que não haja a municipalização do nosso colégio, mas um deles é o que consta na Lei de Diretrizes e Bases – LDB, que diz que a municipalização só deve ocorrer em colégios do ensino fundamental I e II, o que não é o caso do Agostinho”, frisou.
Ainda segundo Edylucia Rios, é preciso lembrar a importância do Colégio Estadual Agostinho Froes da Mota para a cidade, pois oferece à população feirense o EJA – Educação de Jovens e Adultos, bem como exames supletivos para o ensino fundamental e médio, a exemplo do chamado CPA. “Sendo um colégio aqui em Feira que certifica alunos aprovados pelo EJA, e que dispõe de professores capacitados para atender pessoas portadoras de deficiências auditiva e visual, peço a ajuda de todos vocês, vereadores, para entrarem nessa luta com a gente”, disse.
E acrescentou: “Nós dizemos não à municipalização, porque ninguém conversou com a gente nem com a população sobre isso. E quero deixar claro aqui que é difícil para nós, funcionários, ver um aluno chegar à secretaria do colégio para estudar e a gente ter que entregar a pasta dele e dizer: “tome, você não vai mais estudar aqui”.
Informações; Ascom

OUTRAS NOTÍCIAS