Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Feira realiza treinamento teste para as olimpíadas de 2016

Feira realiza treinamento teste para as olimpíadas de 2016

Simulacoes - desastres aereos  - I Congresso Internacional - Foto 04 por Cau Preto

Fogo, fumaça e pessoas feridas. Em questão de minutos, as sirenes começam a ser ouvidas. São as ambulâncias do Corpo de Bombeiros e do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) que chegam para apagar as chamas e resgatar os sobreviventes de um atentado terrorista. Tudo não passou de uma simulação realizada na manhã deste sábado, 1 de novembro, no Aeroporto João Durval Carneiro.

O treinamento visando capacitar as forças de segurança e as entidades civis e militares fez parte das atividades do I Congresso Internacional de Desastres em Massa, realizado até este domingo em Feira de Santana, e cuja iniciativa foi do Programa de Laboratório em Comunidade e acadêmicos do curso de Odontologia da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs). A simulação serviu de teste para as Olimpíadas 2016.

O coordenador de Linhas de Pesquisa em Ciência Forense da Uefs e organizador do evento, professor Jeidson Marques, afirmou que a integração e sincronia das forças é de fundamental importância para uma resposta rápida e efetiva diante de um desastre.

Segundo ele, esse já é um evento mundial. Nesse congresso participaram pesquisadores e peritos de nove países, os quais trouxeram suas experiências – foram realizadas atividades teóricas com palestras. “Feira de Santana está tendo a oportunidade de mostrar para o mundo como se faz um treinamento para adquirir experiência, bem como ajudar as forças governamentais e policiais a se integrarem para um trabalho conjunto diante de um desastre em massa”, disse.

Além do Corpo de Bombeiros e do SAMU participaram da atividade a Defesa Civil, polícias Militar e Civil, Guarda Municipal, Exército, Marinha e Aeronáutica, bem como a Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT).

A coordenadora do SAMU, Maísa Macêdo, acentuou que a integração dos diversos serviços possibilita uma melhor resposta a uma situação de desastre em massa. “Deve ser uma ação rápida e imediata. Para isso é necessário um plano de trabalho para esse tipo de atendimento”, afirmou.

“O SAMU tem um papel fundamental. É o órgão que faz o diferencial, uma vez que, é a instituição que vai resgatar e salvar as vítimas. Ele é o articulador de todas as forças existentes”, reforçou a coordenadora do órgão.

O treinamento foi acompanhado por um número expressivo de pessoas, entre elas estudantes. O secretário municipal de Governo, Paulo Aquino, também esteve presente.

OUTRAS NOTÍCIAS