Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Feira participa de pesquisa de monitoramento do Aedes aegypti

Feira participa de pesquisa de monitoramento do Aedes aegypti

Feira de Santana é uma das três cidades da Bahia que participa de pesquisa sobre o mosquito Aedes aegypti, que utiliza armadilhas com levedura de cerveja. A iniciativa é do Ministério da Saúde por meio da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

As ovitrampas são equipamentos que simulam o ambiente perfeito para a procriação do Aedes – mosquito que transmite dengue, zika e chikungunya.

Trata-se de um vaso plástico na cor preta, preenchido com levedura de cerveja e com uma paleta de eucatex para aderência dos ovos, que serão analisados com lupa apropriada no laboratório de entimologia do município, sendo após encaminhado à Fiocruz.

O equipamento é retirado a cada sete dias e substituído por outro. Durante o período não pode haver interferência, nem derrubar. Por isso são colocados longe de crianças e animais.

Esses locais são determinados pelos agentes do Centro Municipal de Referência em Endemias da Prefeitura de Feira, que fazem todo o processo. São 98 bairros contemplados com a pesquisa.

“A pesquisa não traz riscos para proliferação do mosquito, já que é retirado antes mesmo de se tornar larva. É um trabalho muito importante para identificar a eficácia dos larvicidas e inseticidas, para descobrir se o mosquito criou resistência aos venenos e, se tiver, fazer as adaptações”, afirma Edilson Matos, coordenador do Centro de Endemias.

Informações: ASCOM

OUTRAS NOTÍCIAS