Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Falso médico é descoberto atendendo em socorro a vítimas de acidentes na rodovia mais movimentada do país; O farsante também se passava por pastor, coach e enganava duas namoradas

Falso médico é descoberto atendendo em socorro a vítimas de acidentes na rodovia mais movimentada do país; O farsante também se passava por pastor, coach e enganava duas namoradas

Domingo passado, na rodovia Presidente Dutra, três caminhões se envolveram em um acidente e uma das vítimas ficou com as pernas presas às ferragens. O socorro chegou, mas o médico-chefe da equipe que foi fazer o resgate não é médico: é Gerson Lavisio, de 32 anos, um homem com uma longa carreira de farsante.

Gerson trabalhava como médico socorrista, contratado por uma empresa terceirizada. Ele estava de plantão em uma base em Lavrinhas, no interior de São Paulo e, ao chegar, segundo testemunhas, determinou a amputação da perna da vítima, um caminhoneiro, ainda na estrada.

Policiais rodoviários descobriram que Gerson não era médico ao acessar o site do Conselho Regional de Medicina. O número do CRM, registro profissional da categoria, que ele apresentou, era de um médico que já morreu e seu diploma era falsificado.

Falso médico que socorria vítimas de acidentes atendeu por duas horas em  UPA de Votorantim, diz prefeitura | Sorocaba e Jundiaí | G1

Os colegas que trabalhavam na estrada com Gerson, contratado no início de março, ficaram desconfiados desde o primeiro plantão. Um deles, que não quer se identificar, conta:

“A conduta que ele tomava não era de um médico. Por exemplo, quando é problema de coluna, a gente tem que aplicar um analgésico ou até mesmo um remédio via oral, mas o que que ele fez? Ele aplicou um um calmante 10mg na veia. O usuário ficou desfalecido já, não estava nem andando mais. E também teve um paciente que precisou ser suturado. Ele fez a sutura, mas os pontos que ele fez estavam todos irregulares, ele não conseguia fazer o laço do ponto. E fez tudo errado”.

Falso médico também fingia ser pastor, coach e enganava 2 namoradas

A incapacidade não impediu que Gerson fosse contratado como médico por três empresas diferentes, e isso só nos últimos quatro meses. Em um posto de saúde em Parelheiros, na Zona Sul de São Paulo, ele atendeu 18 pacientes em dezembro do ano passado, inclusive idosos e crianças. Usava o registro de um outro Gerson – este sim, formado em medicina – e, após ser denunciado, foi detido e liberado após prestar depoimento. Isso, no entanto, não o fez parar com a farsa.

“Continuava ainda se passando por médico, mesmo após todo o relato, boletim de ocorrência. E também acho que (este caso ) é uma forma de cobrar essas empresas, essas instituições, muitas terceirizadas, que contratam esses profissionais médicos, para ter uma maior vigilância, né? Será que checaram o registro médico? Bateram os dados? É muito grave isso. É um sentimento de insegurança, de certa forma de impotência também. E de medo, medo por poder ser um familiar meu que poderia estar nas mãos dessa pessoa, desse criminoso”, lamenta o médico que teve o CRM roubado, Gerson Butgnoli Junior.

Falso médico também fingia ser pastor, coach e enganava 2 namoradas

Antes de fingir ser médico, o farsante se passava também por pastor e atraía pessoas em busca de conselho espiritual. Também costumava pregar como convidado em algumas igrejas e anunciava, nas redes sociais, cultos em organizações que nunca existiram. Ele é acusado de pedir contribuições para viagens missionárias que nunca teriam acontecido.

Fantástico procurou Gerson Lavisio em sua casa, em Sorocaba (SP), mas ele pediu para o porteiro dizer que ele não estava. Ao ser procurado por telefone, ele não quis falar com o nosso repórter.

“A minha versão foi dada na delegacia, entendeu? Já prestei depoimento e agora eu vou marcar o dia da audiência e é isso, entendeu?”, afirmou antes de desligar após ser questionado se havia cursado medicina.

Falso médico aplicava outros golpes

Além de se passar por médico, ele também dizia ser pastor, profeta, missionário e coach evangélico. Publicações nas redes sociais mostram a atuação de Gerson em igrejas evangélicas de diferentes cidades do interior de São Paulo.

Com muita lábia, Lavísio deferia palavras proféticas em cultos e conseguia contribuições financeiras para realizar a “obra de Deus”, promessa que (é claro!) nunca era cumprida.

Nas redes sociais, o charlatão mantinha vários perfis para continuar enganando cada vez mais pessoas. Ele divulgava cultos e eventos evangélicos que não eram realizados nunca.

Você acredita de liderança espiritual, a habilidade que ele tinha na voz e nas palavras convencia – E você passa acreditar naquilo como uma liderança cristã mesmo, até por causa dessa fragilidade toda de pandemia”, contou um homem que não quis se identificar, em entrevista ao ‘Fantástico’.

De acordo com fiéis, Gerson se passava por missionário em Moçambique, na África. Alegando que trabalhava para evangelizar e ajudar pessoas no continente africano, ele arrecadava dinheiro nas igrejas. Em uma de suas campanhas, ele chegou a conseguir R$ 16 mil.

“Nessa primeira viagem que a gente começou a ajudar foi pouco mais de R$16 mil. Inclusive, ele ‘comprovou’, mandou lá pra gente em um grupo de WhatsApp na época. Esse valor ninguém sabe no que foi usado na verdade, contou um seguidor na entrevista.

O falso médico foi flagrado em uma reunião evangélica fazendo revelações sobre o futuro de um adolescente que, segundo ele, tinham vindo de Deus. Gerson disse que o menino se tornaria jogador de futebol, jogaria no Rio de Janeiro e depois até em um time Alemão.

Durante a “palavra profética”, Gerson Lavísio diz que o menino tem 17 anos, mas é corrigido pelos responsáveis do adolescente, que afirmam que ele tem 16 anos.

Visivelmente sem graça pela “bola fora”, ele inventa um motivo por ter dito a idade errada. “Sabe porque eu vi 17? Porque foi a idade que Deus mudou a vida de Davi!”, diz o falso pastor.

Duas namoradas

O falso médico também mentia para manter vários relacionamentos afetivos ao mesmo tempo. Enquanto se relacionava com uma mulher, ele fazia o mesmo com outra.

Após a divulgação das matérias sobre o fato dele não ser médico, apesar de atuar como um, essas mulheres finalmente descobriram as mentiras de Gerson, que se aproveitava delas e até tirava dinheiro delas pedindo ajuda para pagar contas etc.

Meses antes de sua atuação como médico ser descoberta, ele atuou em um postinho em Parelheiros, em São Paulo. Ele atendeu cerca de 15 pacientes e chegou a receitar a mesma medicação para três pessoas que relatavam problemas diferentes. 

“Ele chegou e ordenou que a gente desse 10 miligramas de Diazepam, que é calmante, e tivemos que aplicar. O resultado foi o paciente inconsciente, tendo que ser hospitalizado após o atendimento”, contou um funcionário ao ‘Fantástico’.

A necessidade de tirar fotos e postar nas redes sociais, ostentando sua rotina como médico, além de erros em sua condutafalhas gritantes de ortografia nos relatório médicos e outras questões do dia a dia o denunciaram… gerando suspeita em outros médicos e profissionais que conviveram com Gerson.

Mesmo assim, foi só depois do caso da amputação do caminhoneiro, após o acidente ocorrido na última semana, é que o falso médico foi desmascarado.

Ele responde a dois processos na Justiça por exercício ilegal da profissão e um por apropriação indébita, feito pela namorada enganada… mas segue em liberdade. 

O crime de exercício ilegal da profissão é considerado de menor potencial ofensivo, por isso não cabe prisão. O Ministério Público propôs um acordo a Gerson que incluía o pagamento de R$ 2 mil e um mês de serviços comunitários.

A audiência para ele dar a resposta e dizer se aceita ou não o acordo acontece no início de abril.

Confira uma imagem do diploma falso de Gerson Lavísio, que nunca se formou em Medicina:

Diploma falso - Gerson
Foto: Reprodução

Assista, na íntegra, a matéria especial do ‘Fantástico’ sobre o falso médico:

Informações: Fantástico / feedclub

OUTRAS NOTÍCIAS