Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Facebook tem 2,8 milhões de posts ‘marcados’ pelo TSE contra desinformação

Facebook tem 2,8 milhões de posts ‘marcados’ pelo TSE contra desinformação

Nos últimos dois meses, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) marcou com um aviso oficial 2,8 milhões de posts no Facebook. Marcar os conteúdos significa incluir neles um acesso direto à página da Justiça Eleitoral, com desmentidos contra fake news nas eleições.

Essa iniciativa, parceria entre o TSE e a rede social, aumentou em dez vezes, em janeiro e fevereiro, o acesso de internautas à página da Justiça Eleitoral. Foram 1,4 milhão de acessos ao site do TSE nesses meses.

A estratégia de criar as marcas em conteúdos nas duas redes visa aumentar a circulação de informações verdadeiras e confiáveis sobre as eleições.

O crescimento do acesso ao site da Justiça Eleitoral, na avaliação do TSE, confirma o interesse nas redes sociais pelas informações institucionais ou por desmentidos que a Justiça Eleitoral tem em sua página.

O presidente do TSE, ministro Edson Fachin, disse que essa busca pelas informações verdadeiras demonstra que “a má informação se combate com a boa informação e com mais informação correta”.

Fachin disse ainda que a experiência tem evidenciado que os eleitores brasileiros querem se informar bem para fazer a melhor escolha na hora do voto.

“De fato, aumentou enormemente a busca por informações nos sites da Justiça Eleitoral. E mais do que isso: esse mecanismo revelou que a população brasileira quer mesmo informação correta. As eleitoras e os eleitores querem estar bem informados, para votar bem, para escolher seus representantes e depositar de modo livre e consciente seu voto na urna. É com ferramentas assim que a Justiça Eleitoral, em colaboração com as plataformas digitais, vai combater a desinformação”, afirmou o ministro.

As redes e a Justiça

No Brasil, Justiça e as redes sociais vêm travando nos últimos meses uma relação de diálogo e alguns conflitos em torno da adoção de práticas para evitar disseminação de informações falsas.

A preocupação do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é com a interferência indevida das fake news na vida política e institucional do país, e também nas eleições.

As redes, que a princípio resistem em abrir mão de suas estratégias de mercado, começaram a aceitar parcerias e práticas para coibir a infestação do ambiente democrático pelas fake news.

O maior atrito no momento é com o Telegram, aplicativo de mensagens. A rede vem se recusando a aceitar algumas imposições da Justiça. Na sexta-feira (18), por esse motivo, o ministro Alexandre de Moraes, do STF, chegou a suspender a atividade do Telegram em todo o país.

A suspensão foi retirada por Moraes neste domingo (20), após o Telegram cumprir parcialmente determinações judiciais que estavam pendentes. Entre elas:

  • indicar à Justiça um representante oficial do Telegram no Brasil (pessoa física ou jurídica);
  • informar ao STF, “imediata e obrigatoriamente”, as providências adotadas pelo Telegram para “o combate à desinformação e à divulgação de notícias fraudulentas, incluindo os termos de uso e as punições previstas para os usuários que incorrerem nas mencionadas condutas”;
  • excluir imediatamente os links no canal oficial de Jair Bolsonaro, no Telegram, que permitem baixar documentos de um inquérito sigiloso e não concluído da Polícia Federal (veja detalhes abaixo);
  • bloquear o canal “Claudio Lessa”, fornecer os dados cadastrais da conta ao STF e preservar a íntegra do conteúdo veiculado nesse espaço.
Informações; G1

OUTRAS NOTÍCIAS