Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Estudante de medicina é investigado por esquema de pirâmide

Estudante de medicina é investigado por esquema de pirâmide

Um estudante de medicina, que não teve o nome divulgado, é investigado pela Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR) de Jequié, no sudoeste da Bahia, por um esquema de pirâmide financeira que deixou um prejuízo milionário em seus investidores. Os mais de 150 clientes da Safe Intermediações – que tem a palavra ‘seguro’ no nome em inglês – foram lesados em ao menos R$ 7 milhões.

De acordo com a Polícia Civil, ao longo das últimas semanas, dezenas de investidores têm procurado a DRFR para denunciar o responsável pelo esquema. As investigações apontam que o estudante conseguiu atrair clientes das mais variadas classes sociais: um deles relatou ter colocado mais de R$ 700 mil na possível pirâmide, julgando que os ganhos seriam lícitos e baseados em investimentos reais.

Ainda segundo a polícia, nos últimos meses, porém, o líder do esquema passou a atrasar pagamentos e, por fim, parou de fazer as transações financeiras para os clientes.

O delegado Nadson Pelegrini, da DRFR, explicou que o abalo resultante do esquema vai muito além do aspecto econômico.”A sociedade jequieense foi duramente impactada pela atuação desse senhor. Na verdade, o impacto não foi apenas financeiro, mas também de ordem moral, até porque vários dos lesados são pessoas conhecidas da sociedade: empresários, políticos, policiais… Ele não escolhia as vítimas. Ele acabou lesando uma imensa gama de investidores”, declarou.

“Muitos desses investidores já tinham conhecimento prévio acerca do mercado financeiro, mas acreditavam que esse cidadão, por possuir conhecimento superior, iria proporcionar maiores lucros e ganhos. Mas o resultado é que toda essa clientela, que se estima, de início, ser de 150 pessoas, está amargando um prejuízo que beira os R$ 7 milhões, podendo ser descobertos mais valores no decorrer da investigação”, acrescentou o delegado.

Preliminarmente, o estudante pode responder por estelionato, crimes contra a economia popular, contra o mercado de capitais, contra a ordem econômica e contra o Sistema Financeiro Nacional.

Ele, assim como os clientes da Safe Intermediações, já estão sendo ouvidos pela Polícia Civil.

Informações; PC

OUTRAS NOTÍCIAS