Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

‘Estamos caluniados’, afirma Romero Jucá sobre políticos citados em delações

‘Estamos caluniados’, afirma Romero Jucá sobre políticos citados em delações

romero-juca

Um dos políticos com mais inquéritos na Lava Jato(5), o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou nesta sexta-feira (14) ao programa “Moreno no Rádio”, da rádio CBN, que os depoimentos prestados pelos ex-executivos da Odebrecht nos acordos de delação premiada podem ser “ficções” e acrescentou: “Estamos caluniados”.

Jucá ainda comentou as denúncias de que pediu à Odebrecht R$ 150 mil para a campanha do filho dele, Rodrigo Jucá, em 2014 em troca de apresentar emendas à Medida Provisória 651/14 sugeridas pela empreiteira. “[Por] R$ 150 mil não se vende medida provisória nem na Feira do Paraguai”, disse (leia detalhes mais abaixo).

O senador foi nomeado ministro do Planejamento pelo presidente Michel Temer em maio do ano passado, mas, duas semanas depois de assumir o cargo, pediu demissão da pasta após ter uma conversa divulgada na qual ele sugeriu um “pacto” para barrar a Lava Jato.

“Hoje, eu defendo a Lava Jato porque a Lava Jato, investigada rapidamente, é a única forma de desfazer a calúnia reinante sobre a maioria da classe política, pois todos nós estamos caluniados, todos nós estamos prejulgados. Então, a única forma de dizer que isso [o conteúdo das delações] não é verdade é investigar. Porque, se parar a investigação, isso se torna uma verdade. Então, eu defendo a investigação”, disse o senador.

Em outro trecho, o aliado do presidente Michel Temer acrescentou: “A gente não conhece as delações ainda. As delações, pelo que eu vi até agora, não vieram seguidas de prova. Então, são delações e muitas vezes podem ser, em vez de delações premiadas, ficções premiadas para alguém ir pra casa.”

‘Feira do Paraguai’

Ainda na entrevista à rádio CNB nesta sexta, Romero Jucá falou sobre o inquérito aberto com autorização do Supremo Tribunal Federal, a pedido da Procuradoria Geral da República, sobre uma suposta atuação do senador para garantir recursos para campanha do filho dele, Rodrigo Jucá, em 2014.

Segundo o inquérito, Romero Jucá teria recebido notas técnicas do grupo Odebrecht e as transformou em emendas incluídas na Medida Provisória 651/14. Em troca, Jucá pediu que fossem repassados R$ 150 mil em doação a Rodrigo, à época, candidato a vice-governador de Roraima.

“A questão de medidas provisórias, que é uma acusação ridícula, eu solicitei apoio ao partido e recebi lá para a eleição de 2016 [2014] através da Odebrecht, R$ 150 mil pra campanha do PMDB, que meu filho era candidato a vice-governador”, disse Jucá.

“Esses R$ 150 mil que entraram foram gastos na campanha, não foram gastos pelo candidato Rodrigo Jucá, meu filho, porque ele era vice-governador. […] Me desculpe a piada que eu vou fazer, mas vou dizer a você o seguinte: não tem sentido alguém pensar que vai se vender aqui uma medida provisória por R$ 150 mil. R$ 150 mil não se vende medida provisória nem na Feira do Paraguai. É uma piada dizer um negócio desses e sabendo da relação que eu tenho com a classe econômica do Brasil”, completou o líder do governo no Senado.

Reprodução | G1

OUTRAS NOTÍCIAS