Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Escolha do Procurador do Município precisa de aprovação da Câmara diz advogado

Escolha do Procurador do Município precisa de aprovação da Câmara diz advogado

Com a saída do advogado Ícaro Ivvin antes do término de dois anos do mandato de procurador do Município de Feira de Santana, assumiu o também advogado Moura Pinho, que deveria ter concluído seu mandato “tampão” no dia 31 de dezembro de 2021. Consultado pela reportagem, o advogado Magno Felzemburgh (foto ilustração) esclareceu dúvidas jurídicas a respeito do assunto.

“Se um procurador renunciou no meio do mandato, eleito anteriormente e foi substituído tem que passar pela Câmara. Se o que entrou foi um mandato tampão ou não, não importa, existe uma trava, no equilíbrio e na harmonização dos poderes, o procurador precisa ter aval da Câmara Municipal, independente se está terminando o mandato anterior ou não”, explicou Magno.

O advogado lembrou que a Procuradoria representa o Município como um todo, compreendendo assim também o Legislativo. “Ninguém pode ser o representante judicial do Município sem o aval da Câmara. O Município é formado por dois poderes Executivo e Legislativo e o Legislativo precisa participar dessa aprovação”, ressaltou.

O mandato do procurador é de dois anos, após ser aprovado por maioria pela Câmara, podendo ser renovado por mais dois anos, desde que aprovado pelo Legislativo. Segundo a Lei Orgânica, o procurador deve ser indicado pelo prefeito “dentre advogados de notável saber jurídico e reputação ilibada, após aprovação da escolha pela Câmara Municipal, em uma única sessão”.

Informações: Bahia na Politica

OUTRAS NOTÍCIAS