Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Entenda como a natação altera a aparência física e o funcionamento do coração

Entenda como a natação altera a aparência física e o funcionamento do coração

Os corações dos nadadores que participam de competições mundiais funcionam de maneira diferente dos corações dos corredores de elite? Um novo estudo descobriu que a resposta pode ser sim, e as diferenças, embora leves, podem ser reveladoras, mesmo para aqueles que nadam ou correm em um nível muito menos elevado.

Cardiologistas e cientistas do exercício já sabem que a prática regular de atividades físicas altera a aparência e o funcionamento do coração humano. O ventrículo esquerdo, em particular, altera-se com o exercício. Esta câmara do coração recebe sangue rico em oxigênio dos pulmões e o bombeia para o resto do corpo, usando um movimento vigoroso de torcer e desenrolar, como se o ventrículo fosse uma esponja espremida antes de voltar à forma.

O exercício, especialmente o aeróbico, requer que uma quantidade considerável de oxigênio seja fornecido aos músculos em atividade, exigindo muito do ventrículo esquerdo. Em resposta, esta parte do coração em atletas tipicamente se torna maior e mais forte do que em pessoas sedentárias. Além disso, esta parte também funciona com mais eficiência, ficando preenchida de sangue mais rápido e sem torção a cada batimento cardíaco, que fica mais acelerado, permitindo que o coração bombeie sangue mais rapidamente.

Enquanto quase todos os exercícios podem levar à remodelação do ventrículo esquerdo ao longo do tempo, os diferentes tipos de exercício frequentemente produzem efeitos sutilmente diferentes. Um estudo de 2015 descobriu, por exemplo, que os remadores competitivos, cujo esporte combina resistência e potência, tinham maior massa muscular nos ventrículos esquerdos do que corredores, tornando seus corações fortes, mas potencialmente menos ágeis durante a torção que bombeia sangue para os músculos.

Esses estudos anteriores compararam os efeitos cardíacos das atividades terrestres, com ênfase na corrida. Poucos examinaram a natação, apesar de não ser apenas um exercício popular, mas único. Os nadadores, ao contrário dos corredores, boiam na água e prendem a respiração, atividades que interferem nas demandas cardíacas e em como o coração responde.

OUTRAS NOTÍCIAS