Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Empresários de Feira realizaram buzinaço contra o lockdown nesta segunda-feira

Empresários de Feira realizaram buzinaço contra o lockdown nesta segunda-feira

Na manhã desta segunda-feira (1°), vários empresários de Feira de Santana realizaram um buzinaço em frente à prefeitura municipal para protestar contra o lockdown que foi prorrogado ontem (28) e continua até quarta-feira (3).

A prorrogação foi decretada pelo governador Rui Costa e seguida pelo prefeito Colbert Martins. A decisão foi de restringir as atividades comerciais e a circulação de pessoas das 20h às 5h.

Em entrevista o empresário Rafa Lima, que trabalha no setor de eletrônicos, participou do buzinaço e disse que o momento é de muitas dificuldades para a classe empresarial e que a restrição impede as pessoas de trabalharem e garantirem o pão de cada dia. Na opinião dele, outras medidas devem ser adotadas pelos gestores públicos para evitar o contágio pelo vírus.

“Tenho certeza de que fechando o comércio vai piorar a situação. O prefeito deve olhar com consciência. Hoje quando se tem um cargo público tem o salário garantido e quem precisa do trabalho, precisa do comércio aberto, para colocar o pão dentro de casa. Que o comércio esteja aberto para a gente trabalhar e fazer o nosso papel diário. Acho que devem ter algumas restrições em alguns setores sim, como bares que aglomeram pessoas. A área de alimentação deveria continuar aberta e onde não tem aglomerações. Fechar realmente aqueles locais que descumprem as regras”, acrescentou

Geane Medeiros, que é proprietária de uma academia e de um supermercado, participou do protesto e estava indignada com o lockdown. Ela disse que segue todos os protocolos sanitários em seus estabelecimentos, assim como outros empresários, e para ela não há motivos para fechar os empreendimentos de quem segue tudo corretamente.

“É tirar o pão de cada dia das pessoas. Não é isso que resolve o problema do vírus. Como vamos pagar nossos impostos e os funcionários, se estivermos fechados?”, questionou.

Informações – Acorda Cidade 

OUTRAS NOTÍCIAS