Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Empresária vai a júri acusada de matar marido com tiro na nuca enquanto ele dormia

Empresária vai a júri acusada de matar marido com tiro na nuca enquanto ele dormia

andressa-araujo-e-sergio-fernandes

Após mais de cinco anos, a empresária Andressa Ramos de Araújo vai a júri em São Paulo, nesta quarta-feira (12), acusada de matar o marido, o representante comercial Sérgio Fernandes, com um tiro na nuca enquanto ele dormia.

Segundo o Ministério Público (MP), Andressa cometeu o crime para ficar com os bens adquiridos pelo casal. A ré, que responde ao processo em liberdade, nega a acusação: alega que agiu em legítima defesa após ter sido traída, xingada de “gorda” e apanhado de Sérgio. Segundo ela, o disparo foi acidental.

O crime foi cometido na residência onde eles moravam, em 24 de janeiro de 2013, na Zona Leste da capital. O julgamento do caso está marcado para começar às 13h, no Fórum Criminal da Barra Funda, na Zona Oeste. Ana Helena Rodrigues Mellim é a juíza do processo.

A mulher deveria ter sido julgada no dia 13 de agosto, mas a magistrada adiou o júri para esta quarta após a Promotoria juntar novos documentos ao processo.

De acordo com o advogado de Andressa, Davi Gebara, como a defesa da ré não teve acesso para analisar o material em tempo hábil, a juíza remarcou uma nova data para o julgamento.

“Foram juntados documentos e a juíza decidiu adiar o júri para que eu pudesse ter tempo de me inteirar do conteúdo do material”, falou Gebara  que se mostra confiante com o julgamento.

“Acredito na absolvição da minha cliente”, disse o advogado de Andressa.

Para a Promotoria, no entanto, Andressa tem de ser condenada porque premeditou o assassinato do marido, com quem estava casada havia 12 anos e tem um filho. Além disso, ela teria modificado a cena do crime, carregando o corpo enrolado numa coberta até a garagem. Em seguida se desfez da arma.

A mulher estava com 28 anos à época. A vítima tinha 33 e a criança, 4. O garoto também dormia no imóvel quando o pai foi morto.

OUTRAS NOTÍCIAS