Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Empresa que presta serviço ao estado poderá ser acionada na justiça

Empresa que presta serviço ao estado poderá ser acionada na justiça

102198-3

Pela segunda vez consecutiva a empresa Sandes, que é terceirizada junto a secretaria estadual de Educação e que presta serviços em escolas públicas do estado, não mandou nenhum representante para uma reunião que estava prevista para a tarde desta quarta-feira (8) na sede da Gerência Regional do Trabalho (GRT) em Feira de Santana.

Compareceram aproximadamente 30 funcionários juntamente com representantes do Sindicato dos Trabalhadores de Limpeza Pública e Terceirizados e o gerente regional do trabalho, José Batista Santana. Como a Sandes não mandou representante, o sindicato está disposto a ingressar com uma ação trabalhista para garantir os salários em atraso e a quitação dos débitos trabalhistas.

Desempregada, a dona de casa Aline dos Santos deixou a reunião na GRT insatisfeita com o posicionamento da empresa Sandes, por não ter mandado um representante para negociar com os trabalhadores. “Fomos demitidos desde o dia 18 de abril. A sandes não fez a homologação dos nossos direitos e não pagou nenhum centavo. Antes de ter as demissões a empresa já devia o mês de abril e também não pagou o mês de maio. Além disso, estamos sem receber vale-transporte. A empresa mais uma vez deixa a desejar”, afirmou.

Aline dos Santos disse também que além de não quitar os débitos com os trabalhadores, a Sandes recolheu as carteiras de trabalho e ainda não devolveu os documentos, o que está dificultando que as pessoas demitidas consigam um novo emprego. Ela informou que a empresa levou as carteiras para Salvador e até agora não apresentou uma solução nem para pagar os débitos, nem para devolver os documentos.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Limpeza Pública e Terceirizados, Rossalvo Ferreira de Cerqueira, lamentou a atitude da Sandes em não ter mandado um representante para negociar com os trabalhadores. Ele informou que essa é a segunda vez que a empresa foi intimada para negociar na GRT e não deu nenhuma satisfação.

“As pessoas que estão aqui foram demitidas há mais de 90 dias e não há nenhuma decisão por parte da empresa. Não mandou representante e nem se quer deu qualquer informação se tem interesse de resolver essas questões trabalhistas. Eu pedi ao delegado do trabalho que tome uma posição, pois isso é um desrespeito ao sindicato, aos trabalhadores e ao próprio Ministério do Trabalho”, disse.

Rossalvo Cerqueira informou que foram demitidos aproximadamente 300 trabalhadores que atuavam em escolas da rede estadual de ensino em Feira de Santana e região. Ele disse ainda, que diante da dificuldade da empresa em negociar com os trabalhadores e com o sindicato, vai entrar com uma ação na justiça do trabalho contra a Sandes para que o direito dos trabalhadores seja assegurado.

O gerente regional do trabalho, José Batista de Santana, disse que esse tipo de reunião, a pedido de sindicatos, é normal ocorrer na gerência e o objetivo é sempre fazer uma negociação para evitar que os trabalhadores sejam prejudicados.

“Como os representantes da Sandes não vieram pela segunda vez, o processo será encaminhado para a fiscalização e tanto o sindicato como os empregados foram orientados para reclamarem na justiça do trabalho, que tem o poder de cobrar. A empresa terá um prazo para quitar os débitos. Se isso não ocorrer ela poderá ter os bens penhorados”, informou.

Acorda Cidade

OUTRAS NOTÍCIAS