Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Em Salvador, cordeiros reclamam de condições precárias de trabalho

Em Salvador, cordeiros reclamam de condições precárias de trabalho

74062-3

O carnaval de Salvador é marcado por blocos com trios elétricos nas ruas comandados por grandes estrelas do axé. Mas uma figura que pouco aparece na folia também tem importância na festa: o cordeiro – responsável por segurar a corda nos blocos para separar quem pagou do restante dos foliões, a chamada pipoca. Mas, apesar do clima de festa do carnaval, a categoria reclama das precárias condições de trabalho, da falta de reconhecimento e da insegurança.

É o que conta o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Cordeiros do Estado da Bahia, Matias Santos. Ele diz que só na capital baiana são cerca de 50 mil profissionais que estão expostos a brigas e a agressões de quem quer entrar na corda. Segundo ele, alguns foliões chegam a jogar cerveja e água nos trabalhadores. Santos destaca que a diária média recebida por um cordeiro é R$ 46, incluindo vale-transporte. O tempo à disposição do bloco pode chegar a 12 horas por dia. Para melhorar as condições de trabalho, ele defende a assinatura de um contrato formal entre o trabalhador e os empresários.

“Nós lutamos por um contrato de trabalho, queremos que o cordeiro seja reconhecido como trabalhador. Esse profissional tem importância para o carnaval assim como Ivete Sangalo, Bell Marques, como os blocos e as grandes cervejarias. Ele faz parte do carnaval. É ele que é o atrativo para o turismo, já que muita gente vem para Salvador porque os blocos aqui tem cordas”, destaca ele.

Desde 2006, o Ministério Público do Trabalho na Bahia assina um termo de compromisso com o sindicato, os blocos carnavalescos e a Superintendência Regional do Trabalho. Entre os compromissos assumidos pelos empresários, estão a garantia de lanches, protetores auriculares, luvas, camisetas de identificação, filtro solar e seguro coletivo contra acidentes.

A procuradora do Trabalho Andréa Freitas afirma que a primeira cláusula do termo este ano prevê que os blocos assinem os contratos individuais. “O bloco se obriga a celebrar um contrato por escrito de forma individual com todos os trabalhadores que atuam na atividade de cordeiro. Além disso, esses documentos devem ficar à disposição da fiscalização do Ministério do Trabalho por um período não inferior a dois anos.”

Ela explica ainda que o termo de compromisso deste ano determina que os empresários ofereçam curso de capacitação para 5 mil cordeiros até o carnaval de 2017.

O professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA) Paulo Miguez, especialista em carnaval, explica que, antes da década de 80, o cordeiro era folião do bloco e voluntário. A partir dos anos 80, surge o profissional que segura a corda para organizar o carnaval.

Atualmente, o cordeiro faz parte do comércio carnavalesco. “Como se criou o produto bloco, esse produto é embalado com algumas características: a privatização do espaço para você circular ali à vontade, a estrela – se paga pela possibilidade de dançar atrás do trio onde tem uma estrela –, e o folião paga pela segurança. Para garantir a segurança, inventaram a figura do cordeiro.”

OUTRAS NOTÍCIAS