Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Em meio a possível fusão, DEM e PSL assinam juntos nota contra Bolsonaro

Em meio a possível fusão, DEM e PSL assinam juntos nota contra Bolsonaro

Em meio a possível negociação de fusão, o DEM e o PSL assinaram e divulgaram juntos nesta terça-feira (8) uma nota em que criticam o discurso do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante sua participação no ato em São Paulo.

Esse é o primeiro documento assinado pelas duas siglas. “Repudiamos com veemência o discurso do senhor presidente da República ao insurgir-se contra as instituições de nosso país”,  diz trecho da nota.

De acordo com a coluna do Lauro Jardim, no jornal O GLOBO, as tratativas para a união estão avançadas e a presidência do partido deverá ficar com o PSL, que possui atualmente 53 deputados e um senador.

A iniciativa também já havia sido reforçada pelo ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS). Segundo ele, o tema deverá ser tratado na reunião da Executiva do partido nesta semana.

“É uma ideia que se fortalece […]  O DEM é um partido que discute muito internamente, e essa é uma conversa que precisa ser referendada”, disse Mandetta.

Nota na íntegra

“O PSL e o Democratas entendem que a liberdade é o principal instrumento democrático e não pode ser usada para fins de discórdia, disseminação de ódio, nem ameaças aos pilares da própria Democracia.

Por isso, repudiamos com veemência o discurso do senhor presidente da República ao insurgir-se contra as instituições de nosso país.

Hoje se torna imperativo darmos um basta nas tensões políticas, nos ódios, conflitos e desentendimentos que colocam em xeque a Democracia brasileira e nos impedem de darmos respostas efetivas aos milhões de pais e mães de família angustiados com a inflação dos alimentos, da energia, do gás de cozinha, com o desemprego e a inconstância da renda.

Não existe independência onde ao cidadão não se garantem as condições para uma vida digna. O Brasil real pede respostas enérgicas e imediatas.

Coloquemos as mãos à obra”.

Informações: O GLOBO

OUTRAS NOTÍCIAS