Em entrevista ao JN, Bolsonaro declara que números da economia brasileira são fantásticos

Brazilian President Jair Bolsonaro speaks during the Brazilian Steel Conference in Sao Paulo, Brazil, on August 23, 2022. (Photo by Miguel SCHINCARIOL / AFP) (Photo by MIGUEL SCHINCARIOL/AFP via Getty Images)
Brazilian President Jair Bolsonaro speaks during the Brazilian Steel Conference in Sao Paulo, Brazil, on August 23, 2022. (Photo by Miguel SCHINCARIOL / AFP) (Photo by MIGUEL SCHINCARIOL/AFP via Getty Images)

Em entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo, na noite desta segunda (22), Jair Messias Bolsonaro declarou: “Os números da economia são fantásticos, levando-se em conta o resto do mundo. Se fosse apenas o Brasil com esse problema, eu seria o responsável”

A declaração foi em resposta a pergunta sobre indicadores como a taxa de inflação, que mais que dobrou durante a gestão de Bolsonaro, a taxa de juros, que dobrou, e a cotação do dólar, que passou de R$ 3,90 para mais de R$ 5.

Com uma inflação em 12 meses de 10,07% até julho, o Brasil tem a quarta maior taxa do G20, grupo dos 19 países mais ricos e um bloco com integrantes da União Europeia, segundo levantamento da empresa de análises e tecnologia financeira Quantzed. Tem também a maior taxa de juros reais entre 40 países.

Segundo Bolsonaro, as promessas feitas em 2018 de manter inflação, juros e dólar em patamares baixos foram frustradas pela pandemia, por “uma seca enorme” registrada em 2021 e pelo “conflito entre a Ucrânia e a Rússia”.

“Se pegar dados de hoje, você vê o Brasil como, talvez, o único país do mundo com deflação, um país que vai ter inflação menor que Inglaterra e Estados Unidos. Vê também que a taxa de desemprego tem caído no Brasil”, declarou, para justificar os “números fantásticos”. (O IPCA de julho foi de fato negativo, de -0,68%, mas outros quatro países tiveram desaceleração da inflação: Armênia, Espanha, Grécia e Luxemburgo.)

Segundo ele, para tentar cumprir as promessas num segundo mandato, o caminho será “continuar na política que vimos fazendo desde 2019”. Bolsonaro chamou de “a grande vacina” para a economia “reformas como a da Previdência, a Lei da Liberdade Econômica, a modernização das NRs, das normas regulamentadoras”.

Bolsonaro também disse em sua exposição final que o preço da gasolina “caiu assustadoramente” e fez um aceno ao agronegócio dizendo ter “pacificado o MST”.

Questões como o equilíbrio das contas públicas para evitar o crescimento da dívida em relação ao PIB ou sobre o aumento da fome no país não foram abordadas na entrevista.

Bolsonaro foi o primeiro a ser entrevistado pelo Jornal Nacional, entre os candidatos mais bem colocados postulantes à Presidência da República.

Ao longo da semana, também serão recebidos os candidatos Ciro Gomes, do PDT (23, terça), Luiz Inácio Lula da Silva, do PT (25, quinta) e Simone Tebet, do PMDB (26, sexta).

O chefe do Executivo havia exigido que a entrevista fosse realizada no Palácio da Alvorada, e o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) chegou a afirmar nas redes sociais que a participação do mandatário estava confirmada e que ela aconteceria na residência oficial do presidente. Em seguida, no entanto, a Globo negou que teria aceitado a exigência.

Bolsonaro cedeu e foi sabatinado por William Bonner e Renata Vasconcellos nos estúdios da Globo no Rio de Janeiro, por cerca de 40 minutos.

O argumento para que o presidente fosse entrevistado no Palácio da Alvorada era o de que os ex-presidentes Lula (PT) e Dilma Rousseff (PT) tiveram a mesma deferência quando disputaram a reeleição.

A Globo, porém, afirmou que logo depois das eleições de 2014 definiu que todas as entrevistas em anos eleitorais seriam feitas em seus estúdios.

“A medida buscou demonstrar que todos os candidatos são tratados em igualdade de condições”, afirmou a emissora, acrescentando que o calendário de todas as entrevistas foi informado aos partidos em abril deste ano.

OUTRAS NOTÍCIAS