Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

“Ele já vem usurpando dinheiro há bastante tempo”, diz mãe de mulher mantida refém pelo ex

“Ele já vem usurpando dinheiro há bastante tempo”, diz mãe de mulher mantida refém pelo ex

Maria Ilza, de 65 anos, mãe de Flávia Souza Santos, que foi mantida refém pelo ex-companheiro, na manhã desta segunda-feira (20), dentro da própria casa no bairro da Sussuarana, em Salvador, afirmou que não é a primeira vez que o ex-genro ameaça e pede dinheiro a família de Flávia. O homem, que não teve o nome divulgado, chegou a passar o número do PIX para que os familiares de Flávia depositassem R$ 8 mil em sua conta. Ela foi libertada depois de 3h30 de negociações.

Enquanto aguardava o desfecho da situação na porta da casa da filha, dona Maria Ilza conversou com a reportagem do BNews : “Ele quer R$ 8 mil e eu não sei de onde eu vou tirar esse valor. Ele já vem usurpando dinheiro há bastante tempo e eu não tenho mais de onde tirar dinheiro.

Ela contou ainda que chegou a entrar no imóvel após receber uma ligação de Flávia por volta das 7h. “Quando deu 7h ela me ligou dizendo: ‘minha mãe venha aqui porque só a senhora pode me ajudar. Venha só a senhora”, disse. Ao entrar na residência, ela diz que se deparou com o homem com um ferimento no braço e uma faca na mão. “Estava jorrando sangue no chão e ele disse que quando alguém entrar lá ele quer ver muito sangue. Ele me disse que se eu chamasse a polícia ele iria matar ela e se matar também”, relata.

Ainda de acordo com a mãe da vítima, o ex-genro tinha ido embora para São Paulo, mas retornou quando soube que Flávia estava em um novo relacionamento. “Ele foi embora pra São Paulo já separado de Flávia. Ele voltou de São Paulo dizendo que Flávia estava com namorado. Ele voltou só pra destruir a vida dela e pegar dinheiro”.

O advogado do homem também está no local acompanhando o caso. “Eu não tenho informações aprofundadas sobre o que está acontecendo. Venho aqui justamente para ter conhecimento dos fatos para, a partir daí, deixarem as coisas seguirem. A polícia já está aqui fazendo o papel dela. Eu, como advogado, estou para garantir os direitos constitucionais”, disse Marcos Matos.

Informações; Bnews

OUTRAS NOTÍCIAS