Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Dupla de bailarinas de Feira de Santana pede ajuda para representar a Bahia em Festival Internacional de Dança

Dupla de bailarinas de Feira de Santana pede ajuda para representar a Bahia em Festival Internacional de Dança

As bailarinas Josielle Bastos e Angel Martins dançam desde os três anos de idade. A dupla, que mora em Feira de Santana, a cerca de 100 Km de Salvador, foi aprovada na pré-seleção do 5º Festival do CBDD Fortaleza, que vai acontecer na capital cearense nos dias 29 a 31 de outubro. Após a seleção, as meninas tentam arrecadar cerca de R$ 3 mil para financiar a viagem.

Josielle Bastos e Angel Martins contam que treinam diariamente e foram incentivadas pela professora de ballet, Aline Britto, para se inscreverem no festival. Por causa da pandemia de coronavírus, o espaço onde elas treinam está fechado mas a treinadora conta que acredita no potencial das jovens, que passaram a treinar na garagem de casa.

“Nosso lema é desenvolver o educando para que ela possa, com autonomia, buscar o próprio desenvolvimento profissional e artístico”, ressalta a professora.

As duas jovens estão em busca do sonho e para isso já fizeram rifas e venderam sanduíches e lanches para tentar juntar o valor da viagem. Mas contam que ainda não conseguiram o suficiente. Elas se dividem entre ensaios e ações para angariar fundos.

“Começamos a fazer sanduíches naturais, vender mousses. Também começamos um rifa e estamos aceitando qualquer proposta de ajuda”, ressalta Josielle.

Angel conta que elas treinam todos os dias, das 14h às 22h. Como academia de dança está fechada, elas criaram seus próprios cronogramas, além de manter a disciplina e estudos dentro de casa. Angel tem quatro medalhas de outros eventos de dança e Josielle tem sete.

“Nós desenvolvermos a nossa própria coreografia [que foi aprovada no festival] mas não fizemos apenas isso, tivemos todo um estudo por trás”, conta.

Para quem quiser ajudar as jovens, é possível entrar em contato através das redes socais. Segundo as jovens, qualquer valor é aceito. Além disso, também é possível ajudar comprando os lanches vendidos pelas bailarinas.

Jovens pedem contribuições pelas redes sociais — Foto: Reprodução

Jovens pedem contribuições pelas redes sociais — Foto: Reprodução

Informações: G1

OUTRAS NOTÍCIAS