Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Deputado Jacó propõe que Jumento seja declarado patrimônio cultural imaterial da Bahia

Deputado Jacó propõe que Jumento seja declarado patrimônio cultural imaterial da Bahia

O deputado Jacó Lula da Silva (PT) protocolou na Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA) um projeto de lei propondo que o jumento seja declarado como patrimônio cultural imaterial da Bahia. No texto, o parlamentar alerta para o risco de extinção do animal, que já foi considerado um símbolo do desenvolvimento no Brasil, com destaque no Nordeste.

Por causa do abate dos asininos nos últimos anos, frisou o petista, a população dos animais se reduziu drasticamente. Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2006, o Brasil possuía cerca de um milhão e duzentos mil jumentos. Esse cenário sofreu uma redução de 25% em 2011, atingindo um plantel de pouco mais de novecentos mil animais. Já em 2017, assinalou Jacó, o número caiu para 376.874 jumentos. “Esses dados nos levam a acreditar, infelizmente, que a extinção do animal é uma possibilidade real e próxima, caso nenhuma ação seja tomada”, ressaltou.

Atualmente, explicou o deputado, existem três plantas frigoríficas que abatem jumentos na Bahia, e estão localizadas nos municípios de Amargosa, Simões Filho e Itapetinga. Os animais abatidos são destinados à China, que tem no couro o maior interesse. Em 2018, o Judiciário baiano chegou a proibir o abate dos asininos após casos de maus-tratos, em uma ação movida por várias entidades de defesa da vida dos animais.

No mesmo ano, lembrou Jacó, o município de Itapetinga havia sido proibido de confinar jumentos após decisão da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab). “Na época, diversos animais foram encontrados mortos jogados nas margens de uma rodovia local. Meses antes, protetores de animais encontraram jumentos mortos perto de um rio com sinais de mutilação, maus-tratos e alguns vivos que ainda agonizavam de fome, sede e calor”.

O deputado reforçou a importância do animal, principalmente para as populações residentes na zona rural no interior do estado. “Não há a possibilidade de se dissociar a história do jumento da história do Brasil e do sertão brasileiro. É, notavelmente, um animal símbolo da força e da luta diária do sertanejo. Por esta razão, e temendo que essa história seja manchada com a extinção de tão nobre espécie, que clamo aos meus pares pela aprovação deste meritório projeto”, conclamou o parlamentar.

Informações: Ascom/ALBA

OUTRAS NOTÍCIAS