Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Deputado critica convocação de Fábio Vilas-Boas em CPI: “Querem criar cortina de fumaça para enganar o povo”

Deputado critica convocação de Fábio Vilas-Boas em CPI: “Querem criar cortina de fumaça para enganar o povo”

O deputado estadual Marcelinho Veiga (PSB) criticou a convocação de secretários estaduais para a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que investiga irregularidades do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante a pandemia no Brasil. Na visão do parlamentar, a bancada de apoio ao presidente que criar um desvio de foco para encobrir as malversações dos recursos nesta crise.

“Não tenho dúvida de que querem criar uma cortina de fumaça para enganar o povo. Essa é uma tática velha desse grupo de parlamentares ultraconservadores e que gosta de se informar por fake news do líder deles”, critica.

De acordo com o deputado, os titulares estaduais, como o da Bahia, Fábio Vilas-Boas, são responsáveis diretos no trabalho desenvolvido de retaguarda e de atendimento direto aos pacientes com covid. “Sei do empenho do secretário Fábio e de suas dificuldades. Não é fácil atuar em uma crise sanitária sem o mesmo empenho do governo federal, que era para ajudar nesse momento, mas só fez atrapalhar. Temos que cobrar apuração por parte da CPI da Covid pela não compras de vacinas e pelo não investimento de todos os recursos liberados para enfrentar a crise”, descreve o parlamentar.

O secretário de Saúde da Bahia foi convocado pelo senador Eduardo Girão (Podemos), membro da comissão, e que faz parte da base do governo federal no Congresso. Foi apresentado requerimento para convocar, além de Fábio, os secretários de Alagoas, Ceará, Sergipe, Pernambuco, Maranhão, Piauí e Rio Grande do Norte. “Tenho certeza que não houve falta de empenho na Bahia. Houve uma dificuldade gerada por não terem outra alternativa, que não fosse a de se virar sozinho para ajudar a salvar vidas. E isso precisa ser considerado. Não houve negligência, querem tirar o foco de Bolsonaro, que é culpado disso tudo”, completa.

Informações: Bnews

OUTRAS NOTÍCIAS