Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

CPI: Senador quer convocar dona da empresa dos respiradores investigada pela Ragnarok

CPI: Senador quer convocar dona da empresa dos respiradores investigada pela Ragnarok

O senador Eduardo Girão (Podemos-CE) está fechando o cerco contra a Bahia. Além do pedido de convocação do ex-secretário da Casa Civil da Bahia, Bruno Dauster, na CPI da Pandemia no Senado Federal, também protocolou requerimento o qual solicita depoimento de Cristiana Prestes, dona da Hempcare Pharma Representações Ltda, empresa investigada na Operacão Ragnarok.

A Hempcare seria a fornecedora dos 300 (trezentos) ventiladores clínicos de UTI da compra pelo Consórcio Nordeste. Seriam distribuídos para todos os Estados da região. A compra fracassada – alvo da Ragnarok, da Polícia Civil da Bahia – custou mais de R$ 48,7 milhões, pagos antecipadamente com dispensa de licitação, e os equipamentos nunca foram entregues. Na época o presidente do Consórcio era o governador do Estado, Rui Costa (PT).

“Nesse mar de lama, a dona da Hempcare, a empresária Cristiana Prestes, em seu depoimento à polícia acusou o ex-secretário da Casa Civil do estado da Bahia, Bruno Dauster, de ter sugerido um aditivo no contrato para aumentar o valor dos respiradores comprados, superfaturando-os”, argumentou o senador em documento protocolado na quarta-feria (26).   

“Diante dos indícios de envolvimento de autoridades com prerrogativa de função, no caso governadores da região nordeste, o processo judicial originado pela Operação Ragnarok, foi remetido a pedido Ministério Público da Bahia para o STJ, estando hoje sob a relatoria do Ministro Francisco Falcão e acompanhado pelo Parquet federal”, completa o cearense. 

O político ainda alega que a aquisição dos chamados “respiradores” foi analisada pela “Comissão Parlamentar Interestadual de Acompanhamento e Fiscalização do Consórcio Nordeste”, composta por deputados estaduais da região. “A comissão constatou possíveis atos de improbidade administrativa (art. 9o, art. 10 e art. 11 da Lei no 8.429/1992) e crimes contra a administração pública realizados pelos gestores estaduais responsáveis pelas aquisições”. 

Para Girão, a oitiva com Cristiana se faz essencial para que possam ter as informações necessárias sobre o como se deu o processo de aquisição de respiradores no âmbito do Consórcio Nordeste e assim, como o próprio político coloca, abrir caminho para o posterior aprofundamento das investigações. 

Informações: Bnews

OUTRAS NOTÍCIAS