Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Corpos da família encontrada morta em Santo André são velados nesta segunda no ABC

Corpos da família encontrada morta em Santo André são velados nesta segunda no ABC

Os corpos da família encontrada morta em Santo André, no ABC Paulista, começaram a ser velados nesta segunda-feira (15) no Cemitério Parque Vale dos Pinheirais, em Mauá, na mesma região. O velório começou às 6h, e o enterro está previsto para ocorrer às 16h.

Os quatro integrantes da família foram achados mortos em casa neste domingo pela irmã de um deles. A polícia suspeita que as mortes tenham sido causadas por inalação de gás. O aquecedor a gás do apartamento estava sem chaminé e as janelas estavam fechadas.

Uma medição feita pela perícia indiciou que havia mais monóxido de carbono do que o tolerável no apartamento. Não havia sinais de arrombamento ou violência.
O caso está sob a responsabilidade do delegado Roberto von Haydin, do 1º Distrito Policial de Santo André. Segundo o depoimento de um irmão, os pais e as duas crianças já haviam passado mal no apartamento, e um passarinho da família havia morrido poucas semanas antes.

Segundo o delegado, há 99% de certeza que a morte aconteceu por envenenamento por monóxido de carbono.
Roberto Yasuhide Utima, de 46 anos, Katia Rumi Sasaki Utima, de 47 anos, Barbara Keiko Utima, de 14 anos, e Enzo Sasaki Utima, de 3 anos, voltaram de uma viagem à Disney, nos Estados Unidos, na sexta-feira. A suspeita é de que as mortes tenham ocorrido de sexta para sábado (13).

De acordo com Haydin, a mãe estava no box do banheiro com o chuveiro ligado, o pai estava no sofá com a criança de 3 anos deitada sobre o peito, ainda coberta, como se estivesse dormindo, e a adolescente estava deitada na cama de cima de um beliche. Por volta das 15h30 deste domingo (14), os corpos ainda estavam no apartamento.

O delegado também ouviu o síndico do prédio, que fica na rua Haddock Lobo, e ele relatou que havia advertido a família há dez anos para colocar uma tubulação de exaustão do aquecedor.

“Mas eles disseram ao síndico que a janela ficaria sempre aberta e que, por tal motivo, não haveria necessidade da tubulação, mas infelizmente como eles viajaram, o apartamento ficou confinado, não havia ventilação. Se houvesse saída do duto do exaustor, a janela nem fechada poderia ser porque o tubo fica na frente da fresta. Como não havia esse duto de saída, a janela foi fechada e houve confinamento do oxigênio no interior do apartamento”, disse.

Medição feita pela perícia indiciou que havia mais monóxido de carbono do que o tolerável no apartamento. “É um alerta para quem possui aquecedor a gás. Cuidar muito bem da exaustão. Um erro como ocorreu, pode ser fatal. Garantir a exaustão, manter sempre as janelas abertas”, disse o delegado.

G1/CdP

Foto: Arquivo Pessoal

OUTRAS NOTÍCIAS