Coronel Adelmário Xavier se defende das acusações do coordenador da ONG Movpaz Cloves Nunes

<img src="https://www.caldeiraodopaulao.com.br/wp-content/uploads/2013/12/sdc15661.jpg" title="" alt="" loading="lazy" />

 

Com exclusividade Coronel Adelmário Xavier, se defende das acusações feitas pelo coordenador da ONG Movpaz Cloves Nunes. Acompanhe na integra a entrevista.

 

TV Caldeirão: Clovés Nunes afirma que se houver culpado é só da Policia Militar, como o Coronel se defende dessa afirmação?

Coronel Adelmário Xavier: Têm que ser analisado dois momentos, primeiro o desarmamento funcionava na casa da paz e a senha que oficializava os pagamentos da gratificação era feita no 1° Batalhão. Nesse ponto eu não posso falar porque não sei como se procedia. O que eu posso dizer nesse momento foi o que eu ouvi do Coronel Martinho que negligenciou e forneceu as senhas para Cloves Nunes e a partir desse fornecimento da senha tudo aconteceu. Agora eu falo do segundo momento quando o Cloves me procurou, e pediu que eu fizesse pelo CPR, tendo em vista que a senha do 1° Batalhão tinha sido bloqueada e a principio essa senha esta comigo, sou eu que faço isso e abri essa senha para ajudar no desarmamento mais impus Condições a Cloves Nunes, uma dessas condições era que eu não autorizaria o pagamento de armas artesanais, a segunda foi que eu não iria autorizar o pagamento de mais de 400 armas que ele tinha e me disse que ainda não tinha realizado o pagamento, e que teria que pagar porque o pessoal estava cobrando. Eu mantive a minha palavra e disse que começaria do zero. A terceira coisa que eu impus foi que no recibo iria à foto da arma e ele também não concordou e ainda me disse que eu estaria prejudicando a campanha do desarmamento e que eu também poderia ser prejudicado, mais informei que eu não faria o que não achava correto. Cloves me perguntou o que ele deveria fazer para que eu pagasse as armas. Respondi ao mesmo que só pagaria se ele me apresentasse um documento escrito do Ministro da Justiça ou do Secretario de Segurança Pública determinando esse pagamento. Então nesse momento ele me falou que iria fazer isso, mais nunca me apresentou nada por isso nunca paguei.

TV Caldeirão: Foi entendido por sua parte como ameaça quando Cloves Nunes disse que iria adotar providencias por Brasília?

 Coronel Adelmário Xavier: Digamos que sim e todos sabem que Cloves Nunes fala muito bem na linguagem popular ele é aquele homem que vende sal no deserto. Só que os 34 anos de policia que eu tenho me dão respaldo para saber o que é certo e o que é errado, não fiz o que ele queria e se tivesse feito estaria hoje respondendo igual aos outros.

TV Caldeirão: Cloves alega inocência e que não tinha a senha e nunca pegou em um computador?

Coronel Adelmário Xavier: Ele é leviano e muito pequeno para uma instituição com mais de 200 anos para está se preocupando com Cloves Nunes, que se diz inocente e traído pela policia.

TV Caldeirão: Também foi envolvido o nome do General Carvalho Melo?

Coronel Adelmário Xavier: Carvalho Melo é o coordenador oficial de missões especiais da Policia Militar, a única coisa que Melo faz é agilizar a senha e ele nem sabe que Cloves Nunes existe. Ele está chutando para todos os lados e até entendo o desespero dele, porque ele ágil mal e está sendo leviano com quando acusa a Policia Militar.

TV Caldeirão: A Policia Militar irá tomar alguma providência já que foi citada nesse escândalo?

Coronel Adelmário Xavier: O 1° Batalão não está subordinado ao CPRL ele é subordinado a Salvador, qualquer providencia que a policia vier tomar mais ser através da Corregedoria. Esses fatos serão levados ao comando da corporação.

TV Caldeirão: Há alguma possibilidade de ter policiais envolvidos nessa fraude, como afirma Clove Nunes?

Coronel Adelmário Xavier: Eu não posso afirma que ou não policiais envolvidos, o que posso garantir é que a senha foi passada para Cloves Nunes e quem operava a senha era seu irmão, e se tiver policiais envolvidos ele que dê os nomes.

TV Caldeirão: Lembra a data em que ele lhe procurou pedindo as senhas ?

Coronel Adelmário Xavier: Tem aproximadamente dois meses que eu abri a senha para ajudar a campanha do desarmamento, nesse período ele viajou e retornou e me procurou acompanhado inclusive dessas pessoas que foram presas com ele, pedindo a autorização dos pagamentos das armas artesanais.

TV Caldeirão: Segundo uma reportagem do Jornal Folha do Estado Clovés tinha conhecimento e um reporte exibe um vídeo recebendo um certidão do irmão de Cloves na presença do mesmo. Então caiu por terra suas afirmações segundo o Jornal?

Coronel Adelmário Xavier: Eu acho que autoridade competente para responder isso é o delegado que apurou o inquérito. Vamos aguardar o resultado desse inquérito e vamos saber se ele é inocente ou culpado. O inquérito já foi concluído pela Policia Federal.

Coronel Adelmário Xavier: Sem chances nenhuma, qualquer outra instituição que for habilitada pela Policia Federal para continuar com a campanha terá total apoio do CPRL. Mais com Clóves Chances zero.

 

 

 

 

 

 

OUTRAS NOTÍCIAS